Equipes paulistas lutam por sobrevida

Duas equipes paulistas lutam para sobreviver na Superliga Masculina de Vôlei. Campinas e Sesi foram derrotados no primeiro jogo de suas séries de quartas de final, decididas em melhor de três partidas, e darão adeus à competição se não vencerem esta noite.

O Estado de S.Paulo

14 de março de 2013 | 04h20

O Medley/Campinas, superado no tie-break pelo Minas Tênis Clube em casa no sábado, jogará na Arena Vivo, em Belo Horizonte, às 20h30. A principal dificuldade da equipe comandada pelo técnico Marcos Pacheco é conter o potencial ofensivo do ponteiro Lucarelli, uma das maiores revelações do vôlei brasileiro nos últimos anos, altamente cotado para ser convocado por Bernardinho para defender a seleção brasileira na Liga Mundial que será disputada em junho.

Com 21 anos e 1,96m, Lucarelli ocupa o primeiro lugar na lista dos pontuadores da Superliga.

A esperança de Campinas é o veterano Rivaldo, segundo na lista dos maiores pontuadores. "No último jogo tivemos a vitória na mão em alguns sets e não conseguimos fechar. É importante termos mais atenção no final das parciais, porque os dois times são muito equilibrados. Precisamos fazer o nosso jogo e ser mais eficiente no ataque", diz o oposto.

O vencedor desse confronto vai enfrentar o RJX, primeira equipe classificada para as semifinais. Primeiro colocado na fase de classificação, o time bancado pelo bilionário Eike Batista eliminou o São Bernardo com duas vitórias por 3 a 0.

Em Canoas (RS), a equipe da casa, que não era considerada uma das maiores forças da Superliga antes do início da competição, está perto de uma façanha: eliminar o poderoso Sesi. A partida começa às 18h, com SporTV.

Quem vencer a série pega o vencedor do jogo entre Sada/Cruzeiro e Volta Redonda, no sábado, em Contagem (MG). Ontem, a equipe fluminense empatou o playoff ao derrotar os atuais campeões por 3 a 2 (25/18, 23/25, 25/22, 16/25 e 15/12).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.