AFP
AFP

Equipes se preocupam com provas de natação noturnas na Rio 2016

Horário é exigência de tevês dos EUA, que sonham com audiência

ROD GILMOUR, REUTERS

10 de agosto de 2015 | 15h16

Assim que o Campeonato Mundial de Natação terminou no domingo, as principais equipes do mundo passaram a se concentrar em algo completamente diferente: como lidar com as provas de natação noturnas da Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016? O cronograma dos Jogos do ano que vem coloca algumas competições da modalidade de noite por pressão de redes de televisão norte-americanas, como a NBC, que querem picos de audiência em seu país neste horário.

Em Kazan, na Rússia, as provas do mundial recém-concluído terminavam por volta das 19h30 do horário local, mas as provas do Rio estão marcadas para ter início às 22h (horário de Brasília). Levando em conta compromissos com a imprensa, relaxamento, testes antidoping e a volta para os alojamentos, os atletas não irão para a cama até as primeiras horas da manhã. 

Dos países mais destacados no esporte com os quais a Reuters conversou em Kazan, só a equipe da Austrália, que inicialmente se opôs à decisão, parece ter estabelecido um plano para encarar as competições noturnas.

O time irá montar um campo de treinamento de uma semana de duração no fim deste ano, encaixando os dois dias do Grand Prix de Natação entre uma coisa e outra. A ideia é reproduzir o que os atletas enfrentarão no Rio. O evento vai terminar à meia-noite nos dois dias, disse o porta-voz da equipe australiana, e os nadadores passarão pelos mesmos procedimentos pós-competição que irão encarar no Brasil. 

“Como atletas e como equipe técnica, temos que nos familiarizar com o que significa para todos nós atuar nesses horários”, afirmou Jacco Verhaeren, técnico principal da equipe Swimming Australia. “Queremos ter essa experiência. Podemos falar disso o dia todo, mas realmente acho que eles devem viver isso uma vez e sentir como é.”

Para preservar o sono, algumas nações devem acomodar seus nadadores em andares mais altos dos edifícios para evitar a distração dos ruídos da cidade. “Começaremos a fazer ajustes em nossos horários de treino em nossos campos de treinamento antes de ir para o Rio”, disse Frank Busch, técnico principal da equipe dos Estados Unidos, em um comunicado. “Há a possibilidade de alocar os nadadores longe dos outros atletas na vila (olímpica)”.

Em janeiro, as equipes alemã e sueca viajaram ao Rio para avaliar as condições, e a federação dinamarquesa de natação admitiu que ainda tem de decidir como vai lidar com as mudanças no cronograma.

Tudo o que sabemos sobre:
olimpíadario 2016natação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.