Era uma vez o Vasco na 1.ª Divisão

Time carioca fecha participação na elite com outro vexame: derrota por 2 a 0 diante do Vitória em São Januário

Bruno Lousada e Sílvio Barsetti, RIO, O Estadao de S.Paulo

08 de dezembro de 2008 | 00h00

O Vasco protagonizou ontem o maior vexame de 110 anos de existência. Foi rebaixado pela primeira vez para a Série B do Brasileiro. Precisava derrotar o Vitória e torcer por combinação de resultados para não cair. Mas não conseguiu fazer a sua parte: perdeu por 2 a 0, em São Januário, e levou a torcida ao desespero. Houve confronto generalizado entre os torcedores.Um jovem, identificado apenas como Fernando, pendurou-se no teto da arquibancada do estádio e ameaçou se atirar. Chegou a ficar com as pernas no ar. Embaixo, um grupo pedia dramaticamente que o torcedor não se jogasse e alguns improvisaram uma ?rede de braços? para tentar amortecer a eventual queda. Numa ação rápida, policiais militares e bombeiros conseguiram deter Fernando e impediram a tragédia. O rapaz foi resgastado de helicóptero e conduzido para o Hospital Municipal Souza Aguiar.O jogo já havia acabado e a tristeza estava estampada no rosto de todos os vascaínos que lotaram São Januário, que, em sua maioria, demoraram a deixar o local. Em meio ao clima de desolação, muitos buscavam força cantando o hino do clube e outras músicas de incentivo ao Vasco. Edmundo, que ontem disse que se despede do futebol, foi reverenciado pelo público, assim como o meia Madson, por sua garra incansável. Os dois deixaram o gramado sem dar declarações. Choravam copiosamente, tal qual o meia Pedrinho, na reserva. Os gols de Leandro Domingues e Adriano, já no segundo tempo, aumentaram a tensão e a frustração dos vascaínos. Eles também acompanhavam por transmissão de rádio os outros resultados e já sabiam, antes mesmo de a partida terminar, que não havia escapatória.Das arquibancadas, no final e após o jogo, ecoavam gritos de protesto contra o ex-presidente do clube, Eurico Miranda, e o atual, Roberto Dinamite. Mas era nítida a revolta mais intensa dos vascaínos contra Eurico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.