Erro dá Jogos 2012 a Londres

Londres ganhou o direito de organizaros Jogos Olímpicos de 2012 por um erro na votação das cidadescandidatas. A afirmação foi feita nesta sexta-feira pelo israelense Alex Gilady, membro do Comitê Olímpico Internacional (COI). Em declarações divulgadas pela emissora pública britânicaBBC, Gilady diz que o equívoco aconteceu em julho em Cingapura naterceira rodada de votações, e que a grande prejudicada foi Madri,que, segundo ele, teria sido a vencedora. Aparentemente, o erro teve origem no membro grego do COI LambisNikolaou, que pressionou o botão errado e deu um voto a Paris aoinvés da capital espanhola, o que deixou esta cidade fora da últimarodada, à qual chegaram Londres e Paris. Se esse voto tivesse ido para Madri, a capital espanhola teriaempatado em 32 votos com Paris e, segundo Gilady, possivelmenteteria passado para a fase final, na qual poderia ter batidoLondres. Na opinião do israelense, integrante também da comissão do COIque coordena os Jogos de Londres, "um membro cometeu um erro aovotar em Paris e não Madri". "Se tivesse votado a favor de Madri, o resultado teria sido 32a 32. Teríamos que ter realizado outra votação. Nessa votação, osvotos que apoiavam Londres teriam ido para Madri, porque o temorera que Paris tinha grandes possibilidades de ganhar", afirmou. "Madri teria vencido Paris. Se tivesse chegado à final contraLondres, todos os votos de Paris teriam ido para Madri. Madri teriavencido. Isso é o que acreditamos que ocorreu. Isto é o quechamamos sorte". Na rodada final das votações, Londres venceu Paris por 54 votosa 50 e conseguiu ser a sede dos Jogos de 2012. Uma porta-voz da organização dos Jogos de Londres comentou que"houve muitas histórias sobre quem votou em quem". "No final, a votação foi secreta. É a opinião de um indivíduo.O resultado é o que importa e não vamos entrar em especulações",acrescentou a porta-voz. Em declarações ao jornal britânico The Times, opresidente-conselheiro delegado da candidatura de Madri 2012,Feliciano Mayoral, afirmou: "Estivemos muito perto de ganhar". "Nunca saberemos se o voto grego teria sido decisivo, mas élamentável que um erro humano tenha arruinado o duro trabalho quefizemos para conseguir os Jogos", afirmou Mayoral.COI - O Comite Olímpico Internacional reagiu e disse que se baseiam em "suposições e especulações". "O COI não comenta as decisões nem as intenções de voto de seusmembros", explicou um porta-voz da entidade, sem dar mais detalhessobre o assunto.

Agencia Estado,

23 de dezembro de 2005 | 10h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.