Erro de planejamento tira treinos de Deodoro

O Complexo Esportivo de Deodoro, na zona oeste do Rio, foi uma das sedes do Pan que mais receberam eventos ao fim da competição continental. Mas, ainda assim, está longe de servir aos planos traçados pelo Ministério de Esporte, que pretendia transformar a área em um centro de treinamento de atletas de alto rendimento. E isso não aconteceu, admite a pasta, por um erro de planejamento. "Para o complexo de Deodoro se tornar um grande centro de treinamento, é preciso a construção de um alojamento para os atletas. Como os custos do Pan já estavam muito altos, optou-se por não construí-lo, o que foi um equívoco", aponta Djan Madruga, secretário nacional de esportes de alto rendimento. "Realmente, isso está atrasando o planejamento."Construído em área pertencente ao Exército, sob custo de R$ 119,8 milhões, o complexo abriga o Centro Nacional de Tiro Esportivo - considerado um dos mais bem equipados do mundo -, além dos centros de hipismo, pentatlo moderno e hóquei sobre grama. A administração esportiva fica a cargo do Governo Federal. Desde o ano passado, Deodoro tem recebido torneios regularmente, como campeonatos de hipismo, tiro com arco, hóquei e pentatlo moderno. No próximo domingo, terá o Sul-Americano de Tiro Esportivo, seguido pela Copa do Mundo da modalidade, a partir do dia 22.Para colocar em prática o plano inicial, o Ministério do Esportes e o Exército já conceberam um projeto para o alojamento, assegura Madruga. Os próximos passos são fazer orçamento da obra e buscar recursos com as leis de incentivo ao esporte. O secretário também quer trazer para Deodoro outros esportes mais populares, que ajudem a atrair interesse para as atuais modalidades.A idéia é reformar um ginásio, para abrigar treinamentos e competições de judô, e uma pista de atletismo já existente. "Temos um compromisso firmado com a CBJ (Confederação Brasileira de Judô)", diz Madruga. A reforma do ginásio ficaria em torno de R$ 380 mil, um valor viável e que permitira sua execução ainda este ano. Já a pista de atletismo pede um investimento estimado em R$ 1,5 milhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.