''Erros assim custam o campeonato''

Hamilton assume culpa por manobra equivocada que o tirou da corrida e vê liderança do Mundial ir para as mãos de Webber

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2010 | 00h00

Os dois maiores vencedores do fim de semana na Bélgica, há duas semanas, os pilotos Lewis Hamilton, da McLaren, e Mark Webber, da Red Bull, foram os que mais ficaram no prejuízo ontem no GP da Itália, em Monza. Hamilton tentou uma manobra descabida ao posicionar apenas meio carro atrás da Ferrari de Felipe Massa durante a freada da 2.ª chicane, ainda na 1.ª volta. Quando Massa iniciou a curva tocou sua roda traseira esquerda na dianteira direita da McLaren, rompendo a barra de direção.

Hamilton assume a culpa: "São erros como o que cometi hoje que podem custar o campeonato. Posso culpar apenas a mim mesmo." E o grande equívoco já está custando caro para o inglês, que perdeu a liderança para Mark Webber e agora está cinco pontos atrás (187 a 182). Antes, estava três à frente.

Webber, por sua vez, largou em quarto, chegou a cair para nono e, com algumas ultrapassagens - em Michael Schumacher, Robert Kubica e Nico Hulkenberg -, evoluiu somente para o sexto lugar, somando oito pontos. Seu companheiro, Sebastian Vettel, por exemplo, começou em sexto e terminou num satisfatório quarto lugar. "Não tivemos um bom desempenho como equipe hoje", definiu Webber. "Poderia ter somado bem mais pontos, o que é frustrante."

Voltar à liderança do Mundial parece não ter compensado suas dificuldades ontem: "Sabemos que temos de aproveitar ao máximo cada oportunidade que nos surge, mas hoje não foi o caso", afirmou. A prova de ontem poderia ter sido sua grande chance de abrir importante vantagem na classificação.

O outro lado. Mas, se para Webber o time não funcionou, para Vettel foi sensacional. O alemão, que cometeu grave erro na Bélgica ao bater em Button, fez seu pit stop, ontem, apenas na última volta (53.ª). Como possuía 22 segundos de vantagem para Nico Rosberg, da Mercedes, e realizou o melhor pit stop da corrida - com 21 segundos e 558 milésimos -, voltou à frente do adversário. "Era estratégia de risco. Se desse certo, seríamos os reis. Mas, se não funcionasse, idiotas", comentou o piloto.

O resultado o mantém na luta pelo título, em quarto, com 163 pontos.

ACELERADAS

Tá ruim, mas tá bom. Ao ficar atrás de Sebastian Buemi, Toro Rosso, depois da largada, Rubens Barrichello, Williams, comprometeu sua corrida, segundo disse. "Marcar um ponto (10.º lugar) é um consolo."

Bruxa solta. Sexta-feira foi o sistema de alimentação de combustível que o impediu de treinar. Ontem, Bruno Senna completou apenas 12 voltas. Falhou o sistema hidráulico do carro da Hispania.

Multa. O outro piloto da Hispania, o japonês Sakon Yamamoto, atropelou um mecânico no pit stop. A imprudência custou US$ 20 mil (R$ 36 mil).

Ficou no quase. Lucas Di Grassi, da Virgin, não recebeu a bandeirada. A uma volta do fim, a quebra de uma suspensão o obrigou a abandonar.

Quem pode, pode. O ator inglês Hugh Grant adquiriu uma Ferrari Califórnia quinta-feira, em Maranello, ao preço de ? 180 mil (R$ 450 mil). Ontem assistiu ao GP da Itália como convidado no motorhome da equipe, em Monza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.