Espanha confirma favoritismo e terá Portugal na semi

O meia Xabi Alonso, do Real Madrid, é o destaque do jogo ao marcar os dois gols da vitória espanhola sobre a apagada França

KIEV, UCRÂNIA, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2012 | 03h04

Espanha e França, dois dos times mais técnicos da Eurocopa, fizeram jogo fraco ontem, em Donetsk. Com mais toque e posse de bola, os espanhóis cadenciaram o ritmo da partida e contaram com atuação inspirada de Xabi Alonso, autor dos dois gols da vitória por 2 a 0. Ele abriu o placar de cabeça no primeiro tempo e fechou o marcador, em cobrança de pênalti, no último minuto.

Agora, na semifinal, a Espanha vai mais uma vez medir forças com Portugal, num jogo que, para os portugueses, é considerado como revanche da derrota nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2010. Na ocasião os espanhóis venceram por 1 a 0 e seguiram rumo ao título mundial.

O volante Xabi Alonso até que soube conter sua euforia por ter marcado os dois gols da vitória justo em seu jogo número 100 com a camisa da Fúria. "O mais importante é que estamos nas semifinais", discursou. "É verdade que criamos poucas chances de gol, mas estivemos o tempo todo com a partida sob controle."

Para o jogador do Real Madrid, o jogo foi muito complicado. "É para ficarmos muito contentes com o resultado". Quanto ao próximo adversário, a preocupação é Cristiano Ronaldo, seu companheiro de clube que pode decidir um jogo a qualquer momento.

Já o lateral-esquerdo Jordi Alba, que fez o cruzamento do primeiro gol, analisou Portugal como um time bem armado. "Deverá ser um jogo tão difícil como o de hoje (ontem). Já o técnico Vicente del Bosque resumiu: "Não há mais partida fácil. Desde que a defesa vá bem, estaremos mais perto da vitória, porque sempre vamos ter uma oportunidade para marcar", declarou.

Saldo zero. Eliminada, a França volta para casa sem ter convencido na Eurocopa. Empatou com a Inglaterra, perdeu da Suécia e conseguiu apenas uma vitória, sobre a Ucrânia. Benzema, que chegou à competição como candidato a artilheiro, vai embora sem ter marcado nenhum gol.

Nos três primeiros jogos o centroavante do Real Madrid ainda tentou bastante (deu 16 chutes a gol), mas, ontem, mal apareceu, tanto que não tentou nenhuma finalização. Chutes a gol, aliás, foram raridade em Donetsk, num total de 13: nove para a Espanha, quatro para a França. Destes, seis foram em direção à meta. Cada goleiro fez apenas uma defesa.

Ajudou para isso a escalação conservadora da Espanha, sem um atacante de ofício. E, para piorar, Iniesta, David Silva e Fábregas, os três homens mais ofensivos, não brilharam. O gol foi um achado, aos 18 minutos. Jordi Alba fez jogada individual pela esquerda e cruzou na área. Xabi Alonso, vindo de trás, apareceu sem marcação e cabeceou no canto direito, sem chances para o goleiro Lloris.

Depois o jogo seguiu truncado, com a Espanha tendo ligeira superioridade. Precisando empatar, a França se lançou ao ataque no segundo tempo e roubou dos rivais a predominância na posse de bola. Já no fim, Pedro foi derrubado na área. Pênalti para Xabi Alonso cobrar, marcar e consolidar a classificação da Espanha para a fase semifinal da Eurocopa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.