Espanhol decide Masters Cup

Fãs terão uma final dos sonhos em Londres: líder do ranking, Nadal tenta coroar temporada diante do nº 2, Roger Federer

, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2010 | 00h00

Só falta uma vitória para Rafael Nadal concretizar uma das temporadas mais espetaculares que um tenista conseguiu na era aberta - com a profissionalização do esporte, após 1968. Ontem, o espanhol colocou mais um jogo na sua galeria de clássicos ao vencer um Andy Murray inspirado e com o apoio da torcida britânica na semifinal da Masters Cup de Londres: 7/6 (7/5), 3/6 e 7/6 (8/6). Faz a decisão dos sonhos dos adeptos diante de Roger Federer, número 2 do mundo, hoje, às 15h30 (de Brasília).

Foi uma partida de jogadas sensacionais, empolgante, com direito a lágrimas do perdedor e um abraço sincero, respeitoso entre os dois adversários no final. Nenhum merecia sair derrotado. Mas é Nadal que não se contenta apenas com a justiça num jogo de tênis: o "Touro Miúra" só sossega com a vitória.

"Que jogo incrível!", suspirou Nadal, aliviado, ao final da maratona com mais de três horas de duração. "Fiz uma das melhores partidas da minha carreira. O nível foi tão alto que mesmo quando estava perdendo por 3 a 0, 4 a 1 no tie-break final, eu estava me sentindo satisfeito. Só ficava dizendo para mim mesmo "tente chegar à final, sempre resta uma chance". Ela surgiu e aproveitei."

Agora Nadal está a um passo do seu oitavo título da temporada. São simplesmente três Grand Slams (Roland Garros, Wimbledon e US Open), três Masters 1000 (Monte Carlo, Roma e Madri) e um ATP 500 (Tóquio). Para, aos 24 anos, subir mais um degrau em sua carreira falta "apenas" a inédita Masters Cup. "É um final de ano inacreditável. Jamais imaginei que pudesse ser tão bom", admitiu.

Suíço mordido. Só que Federer não está disposto a ser apenas coadjuvante. O suíço teve bem menos dificuldades do que Nadal para marcar posto na decisão. Passou por Novak Djokovic em dois sets: 6/1 e 6/4.

A meta de Federer, agora, é mostrar que ainda tem qualidade para retomar o posto de número 1 do ranking. Tarefa apenas para 2011. Os dois se enfrentaram uma vez este ano. O espanhol venceu na final em Madri.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.