''Espero que sejam coerentes com seu discurso'', diz Alonso

O assunto do fim de semana no circuito Yas Marina, em Abu Dabi, é se Christian Horner, diretor da Red Bull, vai mandar o alemão Sebastian Vettel facilitar a conquista do título para o australiano Mark Webber, seu companheiro, caso a condição da prova permita. Enfim, se a Red Bull vai praticar ordem de equipe, o que sempre condenou. Vale lembrar: se Vettel liderar, com Webber em 2.º e Alonso, 3.º, o espanhol será campeão. Mas, se a ordem for Webber, Vettel, Alonso, o australiano fica com o título.

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2010 | 00h00

"Espero que a Red Bull seja coerente com seu discurso", afirma Alonso, o maior interessado na manutenção da hipotética colocação na corrida. "Domingo (hoje) vocês ficarão sabendo", disse Vettel. Depois, refletiu um pouco: "Sei que devo pensar em todo nosso grupo." Jenson Button, atual campeão do mundo, da McLaren, provocou: "Alonso tem de ser campeão com diferença maior de 7 pontos, pois esses 7 pontos ele ganhou de graça em razão da ordem de equipe da Ferrari na Alemanha."

"Não tem sentido a Red Bull não mandar seus pilotos trocarem de posição", disse Emanuelle Pirro, piloto italiano cinco vezes vencedor das 24 Horas de Le Mans. Em Abu Dabi, ele é o quarto comissário desportivo, uma das autoridades máximas da prova. Sua postura dá a ideia de que ordens de equipe, nessa condição, etapa final do Mundial, não serão consideradas ilegais.

"Não seria sinal de fraqueza, mas de grandiosidade", define Jackie Stewart, ex-piloto três vezes campeão do mundo. "A Red Bull não vai tomar a iniciativa porque deseja ver Vettel campeão e não Webber. Agora, Vettel pode por conta própria deixar Webber passar", diz Eric Boullier, diretor da Renault.

O italiano Pasquale Latunedu, braço direito de Bernie Ecclestone, promotor da F-1, pondera: "Vettel deixará Webber passar apenas na última curva porque se Alonso tiver um problema na última volta será ele, Vettel, quem vence o campeonato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.