Espetáculo em Londres

Depois de jogar mal na estreia, Nadal tem grande atuação e atropela Djokovic, [br]na Masters Cup

, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

LONDRES

Rafael Nadal começou a Masters Cup de Londres hesitante, perdeu um set para Andy Roddick na estreia. Mas ontem deu provas muito fortes de que tem muita vontade - e, acima de tudo, condições - de conquistar a competição em que nunca passou das semifinais. Na reedição da final do US Open deste ano, o espanhol superou Novak Djokovic, número 3 do mundo, com mais facilidade do que no Grand Slam: 7/5 e 6/2.

Com duas vitórias, o espanhol está praticamente classificado às semifinais. Só uma derrota elástica diante de Tomas Berdych amanhã e um passeio de Djokovic ante o eliminado Andy Roddick podem ameaçar a vaga de Nadal na próxima fase. "As coisas saíram bem para mim", festejou Nadal.

A chave para a vitória, como sempre, foi o aproveitamento das chances de quebra de serviço. Nadal teve oito e capitalizou metade, enquanto o sérvio vacilou nas devoluções e só teve um break point em cinco oportunidades. Djokovic lamentou muito o problema em uma de suas lentes de contato, quando a partida estava equilibrada e empatada, no primeiro set. "Não quero procurar desculpas para a derrota, mas fiquei sem enxergar com um olho, o que me prejudicou muito", afirmou. "Já não é ideal em circunstâncias normais jogar usando apenas um olho. Com o Nadal do outro lado da rede, então, fica impossível."

Pela mesma chave, Tomas Berdych enfim parece ter acordado da má fase que o incomoda desde o US Open. Até ontem, o checo havia vencido apenas três partidas depois de ter sido eliminado na primeira rodada do Grand Slam americano, em agosto. Conquistou o quarto triunfo ao bater Andy Roddick, na segunda rodada do Grupo A da Masters Cup, e manter suas chances de classificação à semifinais do torneio - perdeu para Novak Djokovic na estreia na competição.

Apenas a vitória salvaria Berdych da eliminação precoce em sua primeira participação no torneio. E o checo esteve a ponto de dar adeus a Londres quando se defrontou com dois set points para Roddick ainda na primeira parcial. Mas Berdych não só os salvou como quebrou o saque do americano para, na sequência,abrir 1 a 0 (7/5). Na segunda parcial, o americano já havia perdido o controle emocional, começou a quebrar raquetes e já não foi páreo para o checo, que venceu com tranquilidade por 6/3. Dia de Murray. Roger Federer entra em quadra, às 12 horas (de Brasília), já classificado para as semifinais. Se bater Robin Soderling, ajudará o queridinho da torcida local, Andy Murray, se credenciar, pela primeira vez na carreira, a figurar entre os quatro melhores do torneio. O britânico entra em quadra contra David Ferrer já ciente de suas chances. Se Federer passar por Soderling, basta a Murray vencer um set.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.