ESPN
ESPN

ESPN troca estúdios por videoconferência e encurta distância entre público e craques mundiais

Toda a grade jornalística da emissora está sendo realizada de forma remota desde o início da quarentena

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2020 | 16h36

Para garantir a sua programação durante a pandemia do novo coronavírus, a ESPN se reinventa nesses tempos de distanciamento social. Toda a grade jornalística da emissora está sendo realizada de forma remota desde o início da quarentena, o que possibilitou encurtar as distâncias entre os grandes nomes do esporte mundial e os fãs brasileiros.

A emissora substituiu a participação presencial dos entrevistados em estúdio e garantiu a presença deles por meio de videoconferências. Até o momento, nomes como Alessandro Zanardi, César Cielo, Diego Forlán, Bruno Guimarães, os pentacampeões mundiais Cafu e Roberto Carlos e até o ex-Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta participaram de atrações como Resenha ESPN, Sportscenter e Bola da Vez. 

"Obviamente todos estamos passando ainda por uma fase de adaptação e evolução dentro dos programas remotos. Estamos conseguindo torná-los mais atraentes visualmente. Desenvolvendo mais recursos. Jamais será possível substituir o olho no olho, ou o corpo a corpo mesmo. Mas houve um ponto positivo inquestionável, que inclusive irá certamente permanecer em alguns programas. Abriu-se muito o leque de convidados", diz o jornalista e repórter esportivo André Plihal em entrevista ao Estadão.

Plihal também avalia que o novo formato de entrevistas pode ser usado no período pós-pandemia. "Hoje eu diria que não há limites nesse aspecto. Você pode sonhar com o convidado que quiser. E realizar. Nada impede de no futuro termos um convidado no estúdio e outro por videoconferência".

Nesta sexta-feira, às 22h, Plihal comanda o programa Resenha com a participação do ex-jogador italiano Gianluca Pagliuca. No programa, o goleiro comenta sobre Taffarel, que foi seu adversário na Itália e na final da Copa do Mundo de 1994. "Ótimo goleiro, foi o primeiro goleiro estrangeiro que veio para a Itália. Trabalhou bem no Parma... A Copa do Mundo nos Estados Unidos foi muito importante para ele se habilitar. Aquela Copa do Mundo lhe fez bem. Lembro que ele foi muito regular, não errou. Na final, mesmo não fazendo grandes defesas, deu uma grande segurança, infelizmente, para nós italianos", comenta.

Além de Pagliuca, a atração "em casa" já contou com a presença virtual de Diego Costa, Freddy Rincón, Nuno Espírito Santo e o zagueiro italiano Fabio Cannavaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.