Esporte feminino luta por valorização

Quase nada a comemorar é o que têm, no momento, as mulheres-atletas brasileiras que, há pouco mais de seis meses, viveram a euforia de compor uma delegação recorde nos Jogos de Sydney, a maior na história da participação olímpica do Brasil desde 1920 - tiveram até o direito de levar a bandeira, honra que coube a Sandra, do vôlei de praia. Mas um balanço das atividades das atletas dos esportes olímpicos neste Dia Internacional da Mulher mostra que pouco vem sendo feito no sentido de valorizar o esporte feminino.Leia a íntegra no Estadão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.