Paulo Liebert/Estadão
Paulo Liebert/Estadão
Imagem Ugo Giorgetti
Colunista
Ugo Giorgetti
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Esporte para todos

Com tanta oferta de jogos na televisão, "seu" Manuel passa horas e horas no sofá

Redação, O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2019 | 04h00

"Seu" Manuel tem uns 70 anos de idade, movimenta-se pouco, mas, de resto, aparenta saúde normal. Nessa última sexta-feira, levantou-se da cama no seu horário habitual, isto é, aí pelas 11 da manhã. O sol ardia lá fora e a temperatura era sufocante. "Seu" Manuel foi até o pequeno jardim em frente da casa. Ficou algum tempo examinando a rua, o movimento das pessoas sob o sol, o cachorro do vizinho sempre na mesma posição e finalmente entrou em casa de novo.

Não era o calor que o empurrava de volta para dentro da casa. Era o hábito. Sabia que dentro em pouco começaria a cerimônia do almoço e, já preparado, abriu o jornal, passou com rapidez os olhos pelas notícias gerais e foi direto para página de esportes, onde examinou a lista das atrações esportivas que seriam transmitidas pela TV.

Durante o almoço, viu um programa de notícias de futebol seguido de outro, logo depois do almoço, do mesmo tema. Os dois programas, de emissoras diferentes e ainda que separados ligeiramente pelo horário, davam exatamente as mesmas notícias e faziam os mesmos comentários. 

"Seu" Manuel cochilou um pouco no sofá e quando deu por si eram 15 horas e uma das emissoras já transmitia Figueirense x Flamengo pela Copa São Paulo de Futebol Júnior. Esse jogo mal tinha acabado e, às 17 horas, começava Cruzeiro x Sport igualmente pela Copa São Paulo. Essa partida pareceu entediar "seu" Manuel, que resolutamente mudou para outro canal que, desde as 17h45, transmitia Leeds x Derby pela Segunda Divisão inglesa.

Não sei quanto tempo o valente senhor aguentou esse jogo. O fato é que o jantar lhe foi servido no próprio sofá onde jazia desde o comecinho da tarde e de onde via Rio Claro x São Paulo, pela Copinha, que tinha começado às 19h15. Houve breve pausa para um café, o suficiente para não perder nada de Botafogo x Bauru, desta vez um jogo de Basquete, do Novo Basquete Brasil. Embora não fosse indiferente ao basquete, nosso amigo não hesitou em voltar ao futebol e, às 21h30, já estava pontualmente assistindo a Palmeiras x Vitória pela eterna Copa São Paulo. 

Nesse momento uma dúvida ocorreu ao "seu" Manuel. Deveria ficar assistindo ao jogo do Palmeiras ou mudar de canal para algo mais interessante, pelo menos sob o ponto de vista estético? De fato, ele descobriu que no mesmo horário de 21h30 estava sendo exibido, em outro canal, Sesc-RJ x Praia Grande, jogo que fazia parte da Superliga feminina de vôlei. Apesar de já entrado em anos, e virtualmente prisioneiro do sofá, ao nosso amigo ainda restava fragmentos de um perdido interesse pelo elemento feminino.

Dessa maneira "seu" Manuel mudou seu olhar dos valentes jogadores da Copa São Paulo para as belas garotas do vôlei. Eu diria que, ainda que traindo sua inclinação e seu gosto pelo futebol, se deteve bem mais no vôlei, menos apreciado como esporte.

Quando as partidas das 21h30 terminaram, "seu" Manoel viu que Indiana Pacers e New York Knicks tinham começado a jogar em outro canal às 22h45. Como NBA é NBA, ele ficou por ali vendo o que acontecia até à 1h30 da madrugada. Jogos de basquete têm muitas interrupções e são surpreendentemente longos. E não é que, como num passe de mágica, sem que "seu" Manuel sequer tivesse percebido claramente o que ocorria, no mesmo canal começava outra partida de basquete, desta vez Los Angeles Lakers x Utah Jazz.

Não sei em que horário "seu" Manuel levantou-se do seu sofá e se recolheu para um justificado repouso. O que sei é que provavelmente se levantou no sábado aí pelas 11, pegou o jornal e abriu na página de esportes só pra ver o que deveria fazer nas próximas 20 horas.

Nota: "seu" Manuel não é um personagem de ficção.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.