Esqui aquático na disputa entre as potências

O esqui aquático brasileiro chega ao Pan do Rio correndo por fora na busca por medalhas, já que Estados Unidos e Canadá, potências mundiais da modalidade, estarão no País. ?Para o esqui, o Pan é a competição mais próxima de uma Olimpíada. Todos mandam suas maiores forças e, por isso, temos de encarar nossa participação com realismo?, afirma José Raul Vasconcelos, presidente da Confederação Brasileira de Esqui Aquático. ?Mas temos chances concretas no slalom e no wakeboard.?O esqui tem três modalidades: slalom, salto e truques. Para o Pan do Rio, foi incluído o wakeboard (mistura de surfe com skate). O melhor resultado do Brasil foi em Winnipeg (1999), quando Lisa Debbaudt foi a quarta colocada na prova de truques.O esqui aquático não integra o programa olímpico e participa do Pan apenas como convidado. E, embora os atletas brasileiros não se dediquem exclusivamente à modalidade, conquistaram bons resultados em 2006. O paulista Fernando Neves, por exemplo, é o atual vice do Campeonato pan-americano.A equipe do esqui aquático - cinco atletas, sendo um do wakeboard - será definida em três seletivas, nada mais do que etapas do Campeonato Brasileiro que foram destacadas para este fim. A primeira foi realizada no fim do ano passado no Rio, na raia oficial do Jogos - a Lagoa Rodrigo de Freitas. No dia 15, Ribeirão Preto receberá a segunda qualificatória. A etapa decisiva está marcada para março, em Araraquara, também em São Paulo. A seletiva do wakeboard, porém, ainda está indefinida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.