Esse time do Santos não tem jeito

Medíocre, equipe perde do Juventus: 'Foi uma desgraça??, admite Leão

Valéria Zukeran, O Estadao de S.Paulo

25 de janeiro de 2008 | 00h00

Há muito tempo não se via um Santos tão ruim. Mal tecnicamente e desorganizado taticamente, o time irritou a torcida que foi a Santo André e viu a equipe perder para o Juventus por 3 a 1. E podia ser pior: não fosse Marcinho Guerreiro marcar nos acréscimos, o Santos, além de continuar sem vencer (duas derrotas e um empate), sairia de campo sem fazer gol por três partidas seguidas. Com apenas 1 pontos, o Santos é o 18º e antepenúltimo colocado no Campeonato Paulista.Os jogadores mais experientes do grupo santista esqueceram a diplomacia. "Faltou qualidade técnica, faltou homem dentro de campo", disse Fábio Costa. Segundo o goleiro, a torcida teve todo o direito de reclamar. "Um time sem alma, sem espírito, sem vontade. Não teve nem raça. Faltou vergonha na cara.??Leão resumiu o desempenho do Santos. "Foi uma desgraça." Para o treinador, o time precisa se cuidar, "pois tem esse negócio de buraco não ter fundo". No intervalo, o atacante Kléber Pereira também foi crítico."Falta atitude de quem quer joga", criticou, ao denunciar a ??falta de coração?? do Santos.Os problemas começaram logo no início do jogo. Depois de ter um gol de Lima anulado aos 4 minutos, foi a vez de João Paulo, no minuto seguinte, abrir o placar para o Juventus. Atrapalhado em campo, o Santos até que tentou o empate em jogadas isoladas, duas de Rodrigo Tabata - uma de cobrança de falta - e outra de Renatinho, que Sena salvou. Mas foi só.Leão deu bronca nos atletas durante o intervalo e colocou Adriano e Vítor Júnior para jogar no segundo tempo. Mas logo no início da etapa o Santos tomou dois gols de lances originados no lado direito: aos 3 minutos, quando João Paulo fez o segundo, e outro aos 7, quando Lima ampliou para o Juventus. A torcida santista perdeu a paciência. Além de gritar "olé?? nas trocas de bola do Juventus, puxou o coro de "queremos jogado". E xingou vários atletas, principalmente o lateral Carlinhos. Nas poucas vezes em que o Santos chegou ao gol, faltou pontaria, como no caso de Rodrigo Tabata, que chutou uma bola na trave e outra com perigo, para fora. Nem a expulsão de Dedimar melhorou a situação do time. No fim, Marcinho Guerreiro diminuiu a agonia do torcedor, marcando o primeiro gol do Santos no Paulista. E só.O Noroeste bateu o Guarani por 2 a 1, mesmo placar da vitória do Rio Claro sobre o Sertãozinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.