''Está mais fácil para o São Paulo''

Felipe Massa, da Ferrari, compara sua chance de ser campeão em Interlagos com a do time do coração no Nacional

Livio Oricchio, O Estadao de S.Paulo

28 de outubro de 2008 | 00h00

Felipe Massa não deixou nenhuma pergunta sem resposta, ontem, em São Paulo, há poucos dias de decidir com Lewis Hamilton o título mundial. "Rezo no grid, Ave-Maria, Pai-Nosso, e converso bastante também." São-paulino de ir ao estádio, embora seja meio pé-frio, como já disse, acredita mais no seu time no Brasileiro que nas suas próprias chances domingo em Interlagos. "É mais fácil o São Paulo ser campeão que eu conquistar o título. O São Paulo tem sete rodadas e eu uma corrida." Veja o canal especial do GP do BrasilMassa soma 87 pontos diante de 94 de Hamilton. Precisa vencer o GP do Brasil e torcer para o inglês ser no máximo sexto, ou ser segundo e esperar que o piloto da McLaren não passe do oitavo lugar. "Usando um raciocínio lógico, dá para pensar que faremos uma dobradinha aqui, eu em primeiro e o Kimi em segundo. Depois vamos ver a McLaren onde vai terminar."Apesar de já ter abordado o tema em várias ocasiões, a superstição da cueca ainda mereceu destaque, ontem. "Vai me dizer que você nunca usou a mesma cueca dois dias seguidos? Eu faço isso sábado e domingo de corrida, desde a Turquia em 2006, minha primeira vitória na F-1", falou. "E está tão desgastada que não tem mais prega, o amigão fica solto."Se vencer, mesmo que não seja campeão, Massa avisou que fará festa também. "Vou comemorar do mesmo jeito, ganhar em casa é uma sensação única." Massa já sentiu os prazeres da vitória diante da sua torcida, em 2006. Ano passado não ganhou porque tirou o pé do acelerador para Kimi Raikkonen receber a bandeirada em primeiro e ser campeão. Apesar de relaxado, diz pensar muito na definição do título. "Acordo pensando nisso, é o meu foco, meu objetivo."Não hesita em acreditar que se conquistar o campeonato será justo. "Esporte não tem essa história de merecimento, isso é papo de chorão, acho que fizemos excelente temporada." Já se expressou dizendo que não fossem os equívocos, seus e da Ferrari, sua situação seria bem mais tranqüila. "E foi mais difícil aceitar meus próprios erros que os da equipe."Ano passado, apenas assistiu à disputa entre Raikkonen, Hamilton e Fernando Alonso pelo título, na época companheiro do inglês. Viu parte importante da torcida no autódromo apoiar Hamilton. "Acho que dessa vez será diferente. Já fui torcedor na arquibancada em Interlagos, ele vai ser zoado, até xingado." Massa não gostou nada do alerta do ex-dono da equipe Jordan, Eddie Jordan, que recomendou a Hamilton estar preparado para o "jogo sujo". Respondeu: "Coisa de quem está há muito tempo sem fazer nada, é bom pôr lenha na fogueira."Pela manhã, Massa atendeu a compromisso da Unicef, na escola Francisco Brasiliense Fusco, no bairro de Campo Limpo. Trata-se do programa de incentivo à leitura. O piloto inaugurou a biblioteca que tem o seu nome na escola. "Isso não cansa, ao contrário, me dá até mais motivação", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.