Estereótipos que valem pouco

Os ingleses espalharam algumas coisas boas pelo seu império, como o futebol e o rúgbi, além do parlamentarismo e o chá das cinco. Em compensação, também inventaram e propagaram o críquete, certamente o esporte mais aborrecido do mundo depois do beisebol, aquele em que os jogadores passam mais tempo ajeitando o boné do que jogando. Era compreensível que no futebol e no rúgbi algumas ex-colônias inglesas acabassem jogando melhor do que a metrópole, mas também no críquete - um jogo feito para cavalheiros ingleses vestidos de branco se exibirem para suas namoradas, todas elas chamadas Fiona - os nativos tomaram conta. Hoje é jogado por gente de todas as cores, do Paquistão à Nova Zelândia. Aqui mesmo na África do Sul ocupa um bom espaço do noticiário esportivo, e tem suas celebridades, festejadas como as do futebol e do rúgbi.

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2010 | 00h00

O que só prova como os estereótipos raciais e culturais valem pouco. Houve um tempo em que, no Brasil, se atribuía a superioridade do nosso futebol à nossa mistura racial (elasticidade natural do negro, herdada da sua convivência ancestral com feras na África, aquelas bobagens) e à cintura dura do resto do mundo. Quando o Brasil perdia para um time de cintura dura era porque não jogara brasileiramente, não fizera valer o seu ritmo e a sua ginga. O estereótipo não explicava a habilidade argentina, por exemplo, nem a surpresa da seleção húngara do Armando Nogueira, como o Nelson Rodrigues chamava a seleção que assombrara todo o mundo, e o Armando mais do que todos, na Copa de 54. Mas persistia. Persiste até hoje, e não apenas entre brasileiros. Não é raro ver o time do Brasil chamado aqui de "The Samba Kings". Geralmente como prelúdio para a pergunta: "Que fim levou o samba?"

Ainda causa o mesmo espanto ver uma Eslováquia jogando como joga que deve ter causado a primeira visão de um paquistanês jogando críquete como um inglês. O jogo da Holanda contra Camarões na quinta não valia nada, mas valeu pela estreia na Copa do jogador Robben, que estava lesionado. Robben, mais branco do que a rainha da Holanda, com sua careca precoce e sua cara de professor de trabalhos manuais, seria o protótipo do jogador sem cintura que nunca poderia jogar futebol.

Joga muito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.