Estrangeiros chegam para São Silvestre

Os maiores destaques estrangeiros que disputarão a São Silvestre segunda-feira começaram a chegar nesta quinta-feira a São Paulo. Os quenianos, favoritos tanto na disputa masculina quanto na feminina, trouxeram cinco representantes: James Koskei, Evans Rutto, Gilbert Okare, John Yuda e Marta Comu.Devem desembarcar nesta sexta-feira à noite no Aeroporto Internacional de Guarulhos mais dois destaques da prova, o etíope Tesfaye Jifar e a queniana Margaret Okayo. A atleta, uma das mais cotadas para o primeiro lugar do pódio, entrou para história do esporte ao vencer e bater em 19 segundos o recorde da tradicional Maratona de Nova York deste ano.A russa Olga Romanova, de 21 anos, vice-campeã européia de cross country, outra que já está em São Paulo, disse estar bastante animada com a corrida e acredita que fará uma boa prova segunda-feira. Também chegaram os mexicanos Alicia Rodriguez e Arturo Malaquias.Mesmo sem o pentacampeão Paul Tergat, que se recusou a vir para a edição deste ano, os quenianos prometem continuar sendo os maiores destaques da corrida. David Cheruyiot, de 21 anos, é um dos frutos da nova geração do atletismo do país e está confirmado para a 77ª edição da São Silvestre.Em casa - Cheruyiot, que já se tornou um freqüentador assíduo nas disputas brasileiras, chega como favorito para a prova. Ele vem competindo no País desde a São Silvestre do ano passado, quando terminou em sexto lugar. Desde então, o queniano conseguiu se destacar em várias corridas nacionais: bicampeão da Volta da Pampulha (MG), venceu a Maratona dos Bandeirantes e a Corrida de São Silveira, preparatória para a São Silvestre, e conseguiu um segundo lugar na Gonzaguinha, perdendo para o brasileiro Valdenor dos Santos.A largada da prova masculina será às 17 horas, com transmissão da Rede Globo. As mulheres começam a correr às 15h15. As duas corridas terão início na frente do Masp, na Avenida Paulista. A São Silvestre deste ano alcançou o número limite de 15.000 participantes, recorde absoluto na história da prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.