WSL/ Divulgação
WSL/ Divulgação

Estreante no surfe, Italo Ferreira colhe frutos e vislumbra 2016 melhor

Brasileiro vai encarar o veterano CJ Hobgood em Pipeline

PAULO FAVERO, enviado especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

14 de dezembro de 2015 | 10h06

O surfista Italo Ferreira faz uma ótima temporada no Circuito Mundial em seu ano de estreia. Ele deu trabalho para os atletas mais famosos, ganhou muitos elogios do 11 vezes campeão Kelly Slater e tem tudo para dar trabalho na próxima temporada. "Eu estou me dedicando muito ao Circuito Mundial, é meu primeiro ano, tinha alguns objetivos, graças a Deus eu consegui alguns. Fui bem nas etapas de Fiji e do Taiti, que têm ondas pesadas, aqui no Havaí também tem, e quero mostrar a mesma coisa que fiz nos outros eventos", avalia.

Italo abriu a disputa do Pipe Masters, etapa final do Circuito Mundial de Surfe, com uma vitória na primeira fase e evitou a repescagem. Agora, vai encarar o veterano CJ Hobgood para se manter na competição. "Como eu falei, estou sem pressão, estou aqui para fazer um bom resultado e quero continuar nesse ritmo. Estou muito feliz de ter começado com o pé direito. Sei que tem muita coisa para acontecer ainda e muitas baterias para serem disputadas. Espero pegar alguns tubos e me divertir", diz.

O surfista do Rio Grande do Norte lembra que no início do ano teve algumas quedas e isso o deixou um pouco cabisbaixo. "Fui bem em Gold Coast, mas depois em Margaret River e em Bells Beach não tive bons resultados, vieram as dúvidas, não sabia se iria conseguir me manter na elite, mas coloquei a cabeça no lugar, trabalhei mais o meu surfe, procurei evoluir e os resultados foram aparecendo", explica o atleta, que é o estreante do ano no Circuito Mundial de Surfe. "Esse era um dos meus objetivos e graças a Deus eu consegui. O outro era terminar entre os dez mais bem colocados. Estou ali e quero até subir algumas posições e terminar o ano muito bem."

O foco de Italo é mostrar serviço no Havaí, para acabar bem a temporada, e chegar com moral em 2016. "Tenho de trabalhar mais, bastante, quem sabe no próximo ano esteja aí disputando o título", afirma. O surfista sabe que com o sucesso as coisas vão se transformar ainda mais para ele. "Algumas coisas mudaram, mas nada comparado aos caras, sou apenas um estreante. É divertido. Tem de deixar a cabeça no lugar e fazer seu trabalho com humildade, respeitando todo mundo dentro e fora da água. Acho que é isso que faz você ser um vencedor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.