Kim Klement/USA Today Sports
Kim Klement/USA Today Sports

Estudo aponta picos de casos de covid-19 após partidas da NFL com público

Enquanto a NFL faz planos para retornar aos estádios com capacidade total nesta temporada, pesquisadores publicam descobertas de que 'a presença de fãs nos jogos da NFL levou a picos ocasionais' no número de casos de covid-19

Ken Belson, The New York Times

14 de abril de 2021 | 15h00

A MLB, a NBA e outras ligas esportivas começaram a permitir a entrada de fãs em seus estádios e arenas, com a maioria das equipes limitando o público a 10% ou 20% da capacidade total, mas alguns estão indo além. A NFL tem planos ainda maiores. Na semana passada, o comissário Roger Goodell disse que a liga espera abrir todos os seus estádios com capacidade total quando a temporada começar em setembro.

“Nós, da NFL, queremos ver todos os nossos torcedores de volta”, disse Goodell em uma teleconferência com repórteres.

No entanto, uma nova pesquisa apresentada à revista científica The Lancet no final de março sugeriu que havia uma ligação entre os jogos que tiveram grande número de torcedores nas arquibancadas e um aumento no número de infecções em locais próximos aos estádios. O estudo, que está sendo revisado por pares, é uma das tentativas mais abrangentes de abordar o impacto potencial dos fãs nos jogos da NFL.

Os autores, liderados por Justin Kurland, da Universidade do Sul do Mississippi, usaram o número de casos positivos não apenas dos condados onde as 32 equipes da NFL jogam, mas também de condados vizinhos para rastrear a propagação entre os torcedores que podem ter viajado para assistir aos jogos de outros lugares distantes. 

Depois de ajustar os números para eliminar potenciais falsos positivos e dias em que os condados não relataram casos, eles encontraram picos nas taxas de infecção na segunda e terceira semanas após os jogos da NFL que foram disputados com mais de 5 mil pessoas presentes. O estudo não prova uma ligação causal entre a presença de público e os casos de covid-19, mas sugere que pode haver uma relação entre os dois.

“A evidência apoia fortemente que a presença de torcedores nos jogos da NFL levou a picos ocasionais” no número de casos de covid-19, escreveram os pesquisadores.

Jeff Miller, o vice-presidente executivo da NFL para comunicação, assuntos de interesse público e políticas, disse em uma entrevista que as autoridades de saúde pública em cidades e estados onde as equipes da NFL jogam não encontraram nenhum "polo de casos" após os 119 jogos realizados com público. Miller acrescentou que um estudo feito por pesquisadores do Laboratório de Esportes do MIT, ainda não foi publicado e realizado de modo independente, não encontrou aumentos notáveis nas taxas de infecção de covid-19 “no período de tempo considerável após as partidas”. Esse estudo também analisou os registros de casos de covid-19 de condados vizinhos, mas os comparou com dados “sintéticos” usados como um grupo de controle e encontrou pouca diferença entre os dois conjuntos de números. “Obviamente, isso foi encorajador”, disse Miller.

Muitos times da NFL, incluindo as três franquias na Flórida e as duas no Texas, sediaram jogos com mais de 5 mil espectadores durante a temporada regular. O Dallas Cowboys teve o maior público da liga em 2020, com média de mais de 28 mil torcedores em seus jogos em casa, seguido pelo Jacksonville Jaguars (15.919), Tampa Bay Buccaneers (14.483) e Kansas City Chiefs (13.153).

Kevin Walter, porta-voz do Departamento de Saúde da Flórida no condado de Hillsborough, sede do Raymond James Stadium, em Tampa, disse que os rastreadores de contato encontraram "números muito baixos" de testes positivos para o novo coronavírus entre as pessoas que compareceram aos jogos na casa dos Buccaneers durante a temporada, e os pesquisadores não acreditam que essas pessoas espalharam o vírus para as demais.

Rex Archer, diretor de saúde de Kansas City, Missouri, disse que os departamentos de saúde da região não detectaram a propagação do vírus relacionada às partidas na casa dos Chiefs. Os cerca de mil torcedores que se sentaram nas cadeiras do clube tiveram que apresentar um resultado de teste negativo para poderem comparecer, uma exigência que impedia até uma dúzia de pessoas por partida de entrar no estádio. Bares e restaurantes, no entanto, são mais difíceis de rastrear porque alguns estavam fechados e outros, principalmente no vizinho Kansas, não.

“Você poderia ter 15 mil torcedores socialmente distantes no Arrowhead Stadium, mas algumas pessoas se aglomeraram em um bar”, disse ele.

A liga citou um estudo separado ainda não publicado de fevereiro que mostrou que a participação do público na NFL e nos jogos de futebol americano universitário na última temporada não teve um impacto "significativo" na propagação da covid-19, mas ele rastreou apenas casos positivos nos condados onde esses jogos foram realizados. A pesquisa submetida à revista The Lancet, no entanto, rastreou dados mais extensos de condados vizinhos.

Tentar estabelecer ligações causais definitivas entre um único evento e uma mudança nas taxas de infecção em uma grande área metropolitana é complicado. Os autores do estudo na revista The Lancet admitem que sua pesquisa mostra apenas que dois eventos - jogos com torcedores e taxas crescentes de testes positivos para covid-19 - coincidiram. Outros eventos como comícios políticos, reabertura de faculdades ou viagens de férias podem ter contribuído para um aumento nas infecções, especialmente em estados onde medidas preventivas como o uso de máscaras foram menos amplamente adotadas. As infecções também podem ter aumentado porque os torcedores assistiam aos jogos com amigos na sala de estar ou em bares, aglomerações que estavam fora do controle da NFL.

"A força desses estudos é que eles estão mostrando algo, mas as correlações podem apenas apontar as possibilidades, não a causa", disse Bruce Lee, diretor executivo de Pesquisa Computacional e Operacional em Informática em Saúde Pública da Escola de Saúde Pública da Universidade da Cidade de Nova York. “Não é apenas uma partida de futebol americano e as pessoas vão para casa. Existem todas essas atividades associadas em torno do jogo.”/TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.