Thiago Diz / World Surf League
Thiago Diz / World Surf League

Medina, Ítalo Ferreira e Filipe Toledo são favoritos na etapa de Saquarema de surfe

Etapa do Circuito Mundial no Rio tem maior estrutura da história: cidade recebe o Oi Rio Pro e terá 12 surfistas nacionais na disputa masculina e feminina

Marcio Dolzan / RIO e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2022 | 20h00

Com a maior estrutura já montada em Saquarema, na Região dos Lagos, o Brasil recebe a partir desta quinta-feira, dia 23, a 8ª etapa do Circuito Mundial de Surfe da WSL. Ao todo, 11 surfistas brasileiros buscarão o troféu na disputa masculina, enquanto Tatiana Weston-Webb será a única representante do País na competição entre as mulheres.

Três brasileiros começam a competição entre os favoritos: o tricampeão mundial Gabriel Medina, o campeão olímpico Ítalo Ferreira, e o tricampeão do Oi Rio Pro Filipe Toledo, que vem de um segundo lugar na etapa de El Salvador e lidera o ranking mundial.

Completam a lista de brasileiros os surfistas Yago Dora - que substitui a lenda Kelly Slater, contundido -, João Chianca, Michael Rodrigues, Samuel Pupo, Caio Ibelli, Jadson Andre, Mateus Herdy e Miguel Pupo. O número de brasileiros aumentou porque alguns atletas acabaram ficando fora por questões médicas, como os havaianos John John Florence e Barron Mamiya.

A janela de competições vai até o próximo dia 30, e a expectativa é de grande público nas areias da Praia de Itaúna. Suspenso nos dois últimos anos devido à pandemia de covid-19, o Oi Rio Pro espera voltar em grande estilo. Para tanto, uma grande estrutura foi montada. Segundo os organizadores, ao todo haverá uma área construída com 3,2 mil metros quadrados. Haverá espaço com restaurantes oferecendo pratos típicos dos países e locais que integram a elite do surfe - Austrália, Portugal, Havaí, Estados Unidos, Indonésia e Taiti -, além de lojas e quiosques de patrocinadores e espaços exclusivos para os familiares dos atletas.

A construção dos espaços levou cerca de 40 dias - e serão necessários outros 15 após o evento para deixar a praia de Itaúna totalmente livre. Apesar dos eventuais transtornos, a prefeita da cidade enaltece a estrutura, de olho no retorno econômico para Saquarema. "Em 2019, (a etapa do) Mundial reuniu cerca de 40 mil pessoas por dia nas areias da Praia de Itaúna. São milhares de moradores e turistas movimentando nossa cidade, estimulando a economia, gerando emprego e renda em muitos setores e, ainda, temos a oportunidade de mostrar todas as belezas do nosso município para o mundo inteiro", disse Manoela Peres (DEM).

O surfe vive um grande crescimento no Brasil nos últimos anos, ainda mais após os títulos mundiais de Gabriel Medina (três vezes), Adriano de Souza e Italo Ferreira (que também foi campeão olímpico nos Jogos de Tóquio no ano passado). Além disso, os surfistas nacionais enxergam que uma etapa em casa é fundamental para somar pontos no ranking mundial e, quem sabe, garantir vaga no WSL Finals, a decisão do circuito com os cinco mais bem colocados do ranking.

"A WSL está unindo todos os esforços para a realização do maior evento Oi Rio Pro da história. Na temporada 2022, temos atletas brasileiros no topo do ranking, como vem acontecendo nos últimos anos, além de um recorde de fortes marcas parceiras. Tudo isso é motivo de muita comemoração e os que quiserem ver essa festa bem de perto, com certeza, não se arrependerão", diz Ivan Martinho, CEO da WSL Latin America.

Os surfistas brasileiros terão enorme apoio da torcida local. A começar por João Chianca, que é de Saquarema e ficou fora do Circuito Mundial no corte no meio da temporada. Medina também espera que o carinho dos fãs o ajude a ir mais longe no evento e, quem sabe, tentar chegar mais perto do top 5 mundial. Ele não disputou as primeiras etapas do ano, para cuidar de sua saúde mental, e agora espera reconquistar seu espaço.

Já Miguel Pupo e Caio Ibelli querem se aproximar do top 5 para continuarem com chances de disputar o WSL Finals. Italo, que estaria classificado se terminasse hoje, quer se manter no grupo e até se aproximar de Filipinho, que lidera o ranking com folga. O surfista de Ubatuba faz uma temporada excelente e espera repetir o desempenho das últimas etapas - ele chegou à final nas duas últimas etapas.

"Está sendo um ano bastante divertido e é muito bom voltar ao Brasil, para recarregar minhas baterias e tentar vencer novamente. Sei que tem muito trabalho a fazer ainda, mas está indo tudo bem até agora. Fiquei muito feliz por fazer mais uma final e agradeço a minha família e à minha equipe por todo o suporte durante toda essa temporada", disse Filipinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.