Satiro Sodré/Rededoesporte.gov.br
Satiro Sodré/Rededoesporte.gov.br

Etiene evita lamentar prata no Mundial: 'Estou muito feliz com a minha medalha'

Brasileira era favorita para conquistar o bicampeonato mundial dos 50 metros costas

Redação, Estadao Conteudo

25 de julho de 2019 | 10h02

Etiene Medeiros era a grande favorita a conquistar o bicampeonato mundial dos 50 metros costas, nesta quinta-feira, no Mundial de Esportes Aquáticos. Mas acabou levando a medalha de prata. Ao fim da prova disputada em Gwangju, Coreia do Sul, a nadadora brasileira evitou lamentar o resultado e celebrou mais um pódio em competições deste nível. O País também já havia brilhado com duas medalhas de Ana Marcela Cunha na maratona aquática, com o bronze do veterano Nicholas Santos e com a dobradinha de Felipe Lima e João Gomes Juniorque ganharam prata e bronze na prova dos 50m peito.

"É uma satisfação imensa estar aqui, conquistando mais uma medalha. O processo tem que ser alimentado, bem digerido. Estou muito feliz com a minha medalha. A prova de 50m é uma loucura. Se é uma loucura para quem assiste, imagina para gente que está nadando", declarou a atleta, em entrevista ao canal Sportv.

Etiene era a favorita por ser a então campeã mundial, por ter faturado o ouro em Budapeste, em 2017, e também por ser bicampeã mundial em piscina curta (25 metros). E o favoritismo aumentou ao fim das semifinais, quando a chinesa Fu Yuanhui, campeã mundial em Kazan, em 2015, e prata em Budapeste, não conseguiu avançar à decisão.

Na final, contudo, a brasileira acabou sendo superada pela norte-americana Olivia Smoliga na batida de mão. "O esporte é assim, a chinesa nem foi para a final, a Baker, que fez o melhor tempo na semi, ficou fora do pódio, o esporte é assim", disse Etiene, referindo-se à rival norte-americana Kathleen Baker, prata nos 100m costas nos Jogos Olímpicos do Rio-2016.

Feliz com a prata, a brasileira agradeceu o apoio da sua equipe e da torcida. "Eu sou muito grata de estar aqui. Estou feliz de representar muita gente. Essa medalha não é só minha, é do pessoal que estava na arquibancada, que está no Brasil. Eu não nado sozinha, eu nado com todo o Brasil."

E evitou lamentar a perda do status de campeã mundial. "A gente nunca chega aqui campeã mundial. Nunca sai do currículo, mas quando a gente encara um novo Mundial, ninguém aqui é campeã. O prazer do esporte é esse, é estar competitiva, esta sorrindo, estar 100% com o pessoal aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.