Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Etíope supera quenianos e fatura São Silvestre

Tariku Bekele de 24 anos desbanca favoritos e ganha prova pela primeira vez com facilidade

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2011 | 18h38

O etíope Tariku Bekele pôs fim à hegemonia de quenianos e brasileiros e venceu a Corrida Internacional de São Silvestre, neste sábado, em São Paulo, debaixo de muita chuva, principalmente na metade final dos 15 quilômetros.

O corredor de 24 anos é especialista em provas rápidas e só havia corrido esta distância uma vez na carreira. Ele foi campeão mundial indoor nos 3.000 metros em 2008 e, no mesmo ano, chegou em sexto nos 5.000 metros nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Esta foi a segunda vez que um etíope venceu a prova, repetindo Tesfaye Jifar, campeão em 2001. Tariku é irmão mais novo de Kenenisa Bekele, um dos maiores nomes do atletismo na atualidade, bicampeão olímpico dos 10.000 metros.

Campeão em 2010 e melhor atleta que não do Quênia no ranking mundial da maratona neste ano, Marílson ficou longe da disputa pela vitória.

Com um terço de prova ele já estava cerca de 100 metros atrás do pelotão, formado por Bekele e outros quatro (depois três) quenianos. Ele terminou a prova apenas na oitava posição, como segundo melhor brasileiro. À frente dele, em sétimo, chegou Damião de Souza, que correu lado a lado com Marílson durante a maior parte da prova.

O queniano Martin Lel, que chegou ao Brasil como favorito, respaldado por dois títulos na Maratona de Londres, também decepcionou e terminou apenas na quarta colocação. À frente dele, outros dois quenianos: Mark Korir e Matthew Kisorio. No quinto lugar, cruzou o marroquino Najin El Qady.

O vencedor da prova começou a desgarrar do pelotão a partir da metade da prova, quando a chuva apertou em São Paulo.

Especialista em provas mais curtas, ele abriu larga vantagem até a subida da Brigadeiro, mas depois reduziu o ritmo, a ponto de não conseguir bater o recorde da prova, o que parecia certo. O tempo de 43min35s ficou 23 segundos acima da marca de Paul Tergat (Quênia) na São Silvestre de 1995.

O Quênia segue sendo o maior vencedor da prova masculina, com 12 vitórias, contra 11 do Brasil. Desde 1992, quando Simon Chemwoyo foi o primeiro queniano a vencer em São Paulo, o único atleta que não queniano ou brasileiro a chegar à frente havia sido o etíope Jifar, em 2001.

Neste ano, o percurso da São Silvestre foi bastante modificado com relação aos anos anteriores. Depois da largada na Av. Paulista, os corredores seguiram em direção à Av. Doutor Arnaldo, desceram a Rua Major Natanael, passaram pelo Estádio do Pacaembu e percorreram toda a extensão da Av. Pacaembu, até a Av. Marquês de São Vicente.

Depois de passar pelo centro velho de São Paulo e subirem a Av. Brigadeiro Luis Antônio, como é tradicional, a prova trocou o retorno à Av. Paulista pela ida até o Obelisco do Ibirapuera, onde ocorreu a chegada.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoSão Silvestre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.