JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Etíopes dominam São Silvestre e vencem no masculino e feminino

Dawit Admasu e Ymer Ayalew chegam em primeiro lugar na tradicional prova de atletismo. Melhor brasileiro chega em 5º

O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2014 | 09h49

O domínio dos atletas quenianos da Corrida Internacional de São Silvestre não se repetiu em 2014. Nesta quarta-feira, no último dia do ano, atletas da Etiópia foram soberanos na disputa e venceram a 90ª edição da tradicional prova com Dawit Admasu, entre os homens, e Ymer Ayalew, na prova feminina, ambas com um percurso de 15 quilômetros pelas ruas de São Paulo. Giovanni dos Santos foi o único representante brasileiro a subir ao pódio com a quinta colocação na competição masculina. 

Principal esperança do País na prova masculina, Giovanni dos Santos acompanhou os atletas africanos desde o início da disputa, correndo no mesmo ritmo do pelotão adversário, formado pelos etíopes Dawit Admasu e Tariku Bekele, pelos quenianos Mark Korir e Stanley Koech. Mas ele não conseguiu manter o mesmo ritmo na parte final da disputa, mantendo o jejum brasileiro na prova masculina, que vem de 2010, quando Marílson Gomes do Santos venceu pela última vez a São Silvestre. 

No quilômetro final da disputa masculina, Dawit Admasu tento seu distanciar dos demais adversários, mas foi seguido de perto pelo queniano Stanley Kooch. Mesmo assim, ele assegurou a sua vitória acelerando o ritmo para cruzar a linha de chegada na avenida Paulista com um tempo de 45min04.

Kooch, então, teve que se contentar com a segunda colocação na São Silvestre, registrando a marca de 45min05, e melhorando o seu desempenho em relação a 2013, quando ficou em terceiro lugar. Ele foi seguido por Fabiano Naasi, da Tanzânia, que terminou a disputa na terceira colocação, com 45min10, à frente do queniano Mark Korir, que já foi vice-campeão da São Silvestre em duas oportunidades e dessa vez registrou a marca de 45min19. 

E Giovanni dos Santos terminou a disputa na quinta posição com o tempo de 45min22, sendo 18 segundos mais lento do que o vencedor da disputa masculina. O resultado foi assegurado com um sprint nos metros finais. Porém, o desempenho acabou sendo pior do que o de 2013, quando ele terminou a São Silvestre na quarta colocação, assim como havia acontecido em 2012, uma posição à frente do resultado deste ano.

FEMININO

Já entre as mulheres, Ymer Ayalew interrompeu um domínio das atletas quenianas, que haviam vencido as cinco edições anteriores da prova feminina da São Silvestre. E o seu triunfo foi assegurado em uma dobradinha com a também etíope Netsanet Kebede, numa prova completamente dominadas por elas, que conseguiram se distanciar rapidamente das demais concorrentes. 

Antes dos cinco triunfos seguidos das quenianas, havia sido exatamente Yber Ayalew quem havia vencido a prova nas ruas de São Paulo, em 2008. E a sua segunda vitória na São Silvestre foi assegurada com um sprint na exigente subida da avenida Brigadeiro Luis Antônio, abrindo vantagem confortável para Netsanet Kebede.

Assim, ela cruzou a linha de chegada em 50min43, com um tempo melhor do que as duas edições anteriores da São Silvestre e também da sua vitória em 2008, quando registrou a marca de 51min37. Já a sua compatriota marcou 50min46 para garantir a segunda posição. Atrás das duas etíopes, chegou a queniana Priscah Jeptoo com 51min29. A etíope Feyse Boru ficou em quarto lugar, com o tempo de 52min31, e a queniana Delvine Meringor foi a quinta colocada, com 52min34. 

Já as brasileiras ficaram fora do pódio da 90ª edição da São Silvestre, prova que as mulheres do País não vencem desde 2006, quando Lucélia Peres foi campeã. Dessa vez, a melhor representante do Brasil foi Joziane da Silva Cardoso, que venceu a Volta da Pampulha deste ano, em Belo Horizonte, e terminou a prova deste domingo pelas ruas de São Paulo na oitava colocação.

Tudo o que sabemos sobre:
São SilvestreAtletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.