Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

'Eu confio no Brasil', diz Blatter

Dilma Rousseff deu todas as garantias ao presidente da Fifa de que o País vai cumprir todos os acordos firmados em 2007; dirigente gostou e elogiou o governo

TÂNIA MONTEIRO , RAFAEL MORAES MOURA , BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2012 | 03h07

A presidente Dilma Rousseff e o presidente da Fifa, Joseph Blatter, "fumaram o cachimbo da paz" e o chefe da entidade tornou-se, a rigor, o interlocutor com o governo brasileiro. Dilma, no encontro que durou mais de uma hora, assegurou a Blatter que "não há dúvidas" de que o governo brasileiro vai colocar em prática todas as garantias dadas à Fifa para a realização da Copa de 2014. Mas, de concreto, nada foi garantido. Blatter elogiou o governo e afirmou que a ideia, agora, é que governo federal e Fifa "trabalhem em conjunto para estreitar os laços".

Dilma recebeu Blatter após a crise provocada pelas declarações do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, que disse que o Brasil precisava de "um chute no traseiro". Na reunião, todos evitaram polemizar sobre o caso.

Mas o Brasil também tinha do que se explicar à Fifa. A visita ocorreu um dia depois de o governo brasileiro ter desagradado à entidade e provocado uma enorme saia-justa, com o anúncio intempestivo da Casa Civil de informar que o País não tinha compromissos com a venda de bebidas alcoólicas nos estádios.

Precisou de a presidente Dilma intervir pessoalmente e mandar que Casa Civil e a Secretaria de Relações Institucionais corrigissem o equívoco que cometeram e informassem ao Congresso que a venda de bebidas era um dos itens do acordo firmado com a Fifa em junho de 2007 e que este e todos os demais pontos seriam cumpridos integralmente.

"A reunião com a presidente Dilma foi construtiva, de trabalho, de reafirmação do objetivo comum do Brasil, da Fifa, do Comitê Organizador Local, de realizarmos uma grande Copa do Mundo e trabalharmos em harmonia e cooperação", declarou o ministro Aldo Rebelo, ao lado de Blatter e de Pelé e Ronaldo, presentes à audiência. "O governo brasileiro está empenhado em cumprir as suas responsabilidades e compromissos", completou.

Blatter seguiu o tom conciliatório do ministro. "Não entramos em detalhes com a presidente Dilma. O que ela disse é que vai cumprir as exigências e garantias dadas. Eu confio nela, eu confio no Brasil", disse Blatter. "A ideia é, agora, o governo federal trabalhar em conjunto com a Fifa para estreitar melhor os laços", declarou Blatter.

O tom superlativo foi reforçado pelo ex-jogador Ronaldo: "Foi excelente a reunião. A gente ganhou garantia de empenho do governo federal e, como venho sempre dizendo, não tenho a menor dúvida de que faremos e entregaremos o maior evento de todos os tempos aqui no Brasil".

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014BlatterDilmaValckeFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.