William Lucas/Divulgação
William Lucas/Divulgação

Técnico da seleção feminina de basquete lamenta derrota no Pan

'Não esperava uma pancada assim', diz Luiz Zanon

MARCIO DOLZAN, enviado especial a Toronto, O Estado de S. Paulo

19 de julho de 2015 | 21h41

O técnico Luiz Zanon disse que "não esperava uma pancada" assim, após a seleção brasileira feminina de basquete perder por uma diferença de 28 pontos para o Canadá na semifinal dos Jogos Pan-Americanos de Toronto. O treinador reconheceu que o nível das canadenses está acima do brasileiro, mas disse que a derrota por 91 a 63 ajudará no amadurecimento da equipe.

"Eu não esperava uma pancada assim, mas o jogo foi praticamente por causa do descontrole no primeiro quarto", afirmou o técnico. Contra o Canadá, em cinco minutos o Brasil já perdia por 11 a 2. "É duro você mudar a chave num jeito como a gente joga no Brasil para a exigência que é aqui", reconheceu Zanon. "A gente joga numa rotação abaixo."

Apesar da derrota por diferença tão grande, o treinador garantiu que o time vai com tudo brigar pelo bronze com as cubanas, em partida marcada para às 17h desta segunda-feira. Mas, segundo ele, mesmo se a medalha não vier, o Pan terá tido uma importância muito grande para o grupo.

"A briga pelo bronze vai ser agora no vestiário, para a gente começar a pensar. Mas o amadurecimento tem que ser o mais importante para o grupo", declarou. "Foi como as meninas falaram. A gente sentiu que algumas coisas a gente faz com uma certa facilidade e aqui não consegue fazer. Mas é com essa dificuldade que a gente prepara elas para lá na frente. Esse amadurecimento não só físico,mas também emocional. Este grupo é novo, tem três, quatro meninas todas chorando, porque a gente tenta fazer o máximo, mas às vezes dá alguns bloqueios."

Para a armadora Tainá Paixão, resultados como o da noite deste domingo acontecem, "mas num campeonato deste porte não poderia ter acontecido". Mesmo que o Brasil tivesse sido dominado durante toda a partida, ela disse que não faltou entrega. "Em nenhuma hora a gente pensou que não daria mais. A gente tentou lutar até o final pela nossa bandeira, mas não deu. Elas estavam em um ótimo dia, e a gente não."

Segundo Tainá, o time brasileiro está sentindo a sequência de jogos, mas isso não deverá interferir na disputa do bronze. "Tem um pouco de desgaste, lógico. A competição teve um jogo atrás do outro, mas eu acho que ao chegar neste momento você vai mais pela emoção. A emoção acaba transparecendo nas pernas e você vai buscando. Mas como a gente tem esse cansaço, elas também têm. Vai ser um jogo equilibrado e duro."

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos Pan-Americanosbasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.