Ben Curtis/AP
Ben Curtis/AP

EUA derrotam Japão e faturam o ouro no futebol feminino

Norte-americanas devolveram a derrota para o Japão sofrida no Mundial da categoria

AE, Agência Estado

09 Agosto 2012 | 17h58

A seleção americana de futebol feminino sacramentou sua hegemonia em olimpíadas. Com dois gols da meio-campo Lloyd, as americanas venceram o Japão e garantiram o ouro na Olimpíada de Londres, o seu quarto ouro nos Jogos Olímpicos. Com os 2 a 1 desta quinta-feira, 9, os Estados Unidos devolvem a derrota para o Japão sofrida no Mundial da categoria, em 2011, quando as asiáticas venceram nos pênaltis a equipe americana na final, em Berlim, na Alemanha.

Antes de Londres, as americanas levaram o ouro em 1996, em Atlanta, quando venceram a primeira final olímpica da história contra a China, por 2 a 1. Em Atenas/2004 e em Pequim/2008, as americanas ganharam das brasileiras, comandadas por Marta, nas duas oportunidades, por 2 a 1 e 1 a 0, respectivamente.

No jogo desta quinta, a equipe americana mostrou porque entra sempre como a favorita. Com defesas importantes de Hope Solo e uma atuação impecável de Lloyd, com dois gols, a conquista dos Jogos Olímpicos foi sofrida. Logo aos 8 minutos de jogo, os Estados Unidos abriram o marcador com Lloyd, que aproveitou com estilo cruzamento de Morgan e marcou de cabeça.

A partir daí, o Japão pressionou com toda a sua força. Hope Solo fez várias defesas durante a etapa inicial. Na segunda etapa, os Estados Unidos confiaram ainda mais nas defesas de Hope Solo para assegurar o resultado. Na frente, o oportunismo de Lloyd se destacou. Aos 9min, em jogada individual, a atacante carregou a bola, se livrou da marcação e chutou forte para fazer 2 a 0.

A pressão do Japão foi recompensada aos 17 minutos com Ogimi anotando em cima da parede Hope Solo.

Mesmo com a pressão japonesa até o apito final, com a bola a todo momento rondando a área dos Estados Unidos, a goleira Hope Solo impediu o empate em várias oportunidades e sacramentou o ouro e a redenção de sua equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.