Ex-diretor médico do atletismo russo é banido do esporte pela CAS

Sergei Portugalov é acusado de fornecer substâncias proibidas

Estadao Conteudo

13 de março de 2017 | 10h30

Um médico russo acusado de fornecer substâncias proibidas para melhorar o desempenho de atletas foi banido por toda a vida do esporte. Nesta segunda-feira, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) disse que "evidências claras" de infrações justificaram a suspensão de Sergei Portugalov, que era diretor médico da Federação Russa de Atletismo.

Portugalov foi acusado por uma comissão da Agência Mundial Antidoping em 2015 de prescrever substâncias proibidas aos atletas, até mesmo aplicando injeções em alguns deles. Em troca, ele receberia parte da premiação em dinheiro deles. A comissão disse que Portugalov mostrou "um completo desprezo pela saúde e bem-estar dos atletas".

A CAS afirmou que Portugalov, de 66 anos, violou artigos das regras médicas da Associação Internacional das Federações de Atletismo por posse, tráfico e administração de substâncias proibidas.

Além da participação de casos de doping, de acordo com Yulia Stepanova, delatora do esquema de doping na Rússia, afirmou que Portugalov também trabalhou com atletas de outros esportes, como natação e esqui cross-country.

Como vice-diretor de um instituto esportivo do Estado russo, Portugalov comandou uma unidade especial que supervisionava os serviços médicos para a equipe russa que foi ao Jogos Olímpicos de 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
Sergei PortugalovRussiaatletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.