Emily Berl/The New York Times
Emily Berl/The New York Times

Ex-dirigente russo informante da WADA tenta suicídio nos EUA, diz imprensa local

Grigory Rodchenkov, que fez denúncias sobre o doping no esporte da Rússia, foi encontrado no apartamento da FBI onde vive e encaminhado a um hospital psiquiátrico

ANSA

27 Junho 2018 | 15h00

O russo Grigory Rodchenkov, ex-responsável pelo laboratório antidoping de Moscou e pivô de um escândalo envolvendo todo o esporte na Rússia, tentou suicídio em seu apartamento em Washington, nos Estados Unidos, informou nesta quarta-feira (27) a imprensa russa.

+ Agência antidoping dos EUA pede testes contra Rússia na Copa

+ Fifa diz que 'não há evidências suficientes' de doping na Rússia

+ Laboratório de doping da Rússia vira 'bar descolado' em Sochi

"A informação foi recebida pelos meus colegas nos Estados Unidos", disse Alexander Ionov, vice-presidente do escritório russo da ONG Comitê Internacional para a Defesa dos Direitos Humanos. "Tudo foi escondido pelos serviços especais norte-americanos para evitar indiscrições da imprensa. O incidente ocorre em 19 de junho", relatou.

Rodchenkov era informante da Agência Mundial Antidoping (WADA). A imprensa russa disse que ele tentou suicídio no apartamento alugado pelo FBI onde ele vive em Washington. Ele teria sido encontrado pelos agentes no local e encaminhado a um hospital psquiátrico.

Em novembro de 2015, depois da WADA ter suspendido o trabalho do laboratório antidoping de Moscou, Rodchenkov se demitiu e, em janeiro de 2016, mudou-se para os EUA. Posteriormente, ele comunicou com a imprensa e denunciou o "programa de doping" da Rússia, o que desencadeou um grande escândalo internacional.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.