Ex-tenista vira conselheiro de novatos

Convidado pela CBT, Marcos Daniel passa experiência para a equipe brasileira e ainda faz sucesso no Twitter

Giuliander Carpes - Enviado especial, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2011 | 00h00

MONTEVIDÉU - Poucos assuntos chamam tanto a atenção do tenista gaúcho Marcos Daniel quanto o futebol e, mais precisamente, o Internacional, seu time do coração. "Quando o Falcão conseguiu controlar o vestiário, o time começou a se encontrar", arrisca uma explicação para a melhora de rendimento da equipe colorada no Campeonato Brasileiro.

Mas é no tênis que o ex-jogador conseguiu relativo destaque - chegou a ser 59.º do mundo, em 2009 - e vai tocar sua vida depois de ter deixado as quadras, no início deste ano. Experiente, Daniel foi convidado pela Confederação Brasileira de Tênis (CBT) para acompanhar a delegação do País em Montevidéu durante o confronto com o Uruguai.

Não perdeu a chance de dar conselhos aos novos integrantes da equipe Rogério Dutra da Silva e João Souza e até mesmo a um ex-companheiro, Thomaz Bellucci, que ainda convive com a inconstância e as dúvidas na Copa Davis. "Esses dois jogadores mais novos sempre acabam ficando um pouco mais nervosos mesmo sendo melhores jogadores que os uruguaios. Então estava aqui para ajudá-los a administrar esta situação."

Não fosse uma séria lesão no ombro direito, que limitou seu movimento de saque, Marcos Daniel poderia ter estado em quadra contra os uruguaios. Eram esses momentos, vestindo as cores do País, que o estimulavam especialmente. Mas não há ressentimento. "Dá uma nostalgia, mas é aquela coisa, eu fiz o que deu para tentar voltar."

Depois de ser massacrado por Rafael Nadal no Aberto da Austrália, o gaúcho ainda tentou se reencontrar em três torneios. Mas as dores e limitações da lesão apressaram a aposentadoria.

"Depois da lesão, perdi 30% da força que tinha nos golpes e aí dificultou para jogar. Era o momento de parar", conforma-se ele, que ainda figura no ranking mundial, na 185.ª posição. "Seria lindo poder estar jogando aqui, mas não me sinto frustrado. A sensação é outra. Estou resolvido."

Enquanto vê onde pode recomeçar, agora como técnico - mora em Balneário Camboriú, onde fica a academia de Larri Passos, treinador de Thomaz Bellucci -, Daniel também aproveita para se aproximar com alguns fãs que fez durante a carreira por meio das redes sociais.

No Twitter, já foi personagem de uma série chamada #marcosdanielfacts, na qual as pessoas citavam situações em que o ex-tenista seria implacável. "Marcos Daniel é canhoto. Joga com a direita só para o jogo ter graça", entre outras brincadeiras.

O ex-tenista, que também pode ocupar um cargo técnico na CBT, caso a construção de um centro de treinamento finalmente avance, acha graça.

"Na verdade, essa gurizada nova que tem mais fãs, eles que mexem melhor com essas coisas (redes sociais) também. Mas é uma brincadeira sadia", diverte-se. O bom humor faz parte de seu caráter. Na vitória ou na derrota.

Veja também:

link  Brasil pode cruzar com Suíça, de Roger Federer, na Copa Davis

 forum BATE-PRONTO - Bastidores, vídeos e mais do Brasil na Copa Davis

Tudo o que sabemos sobre:
tênisCopa DavisMarcos Daniel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.