Exames confirmam doping de Sotomayor

Esclarecidas algumas dúvidas que haviam surgido sobre a quantidade da substância proibida nandrolona presente no organismo do saltador cubano Javier Sotomayor, em um controle antidoping positivo, representantes da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) confirmaram, nesta quinta-feira, o caso de doping envolvendo o atleta que, inclusive, está aposentado do esporte desde outubro do ano passado. Como é reincidente em caso de doping, uma suspensão ao cubano, pelas regras da IAAF, desta vez seria para sempre. Mas nesse caso apenas uma formalidade - Sotomayor, aos 34 anos, despediu-se do atletismo em outubro do ano passado.Uma primeira análise da segunda amostra da urina de Sotomayor, colhida após o Meeting de Tenerife, na Espanha, em 14 de julho de 2001, detectou a metade da quantidade do esteróide anabolizante achada na primeira (A). Mas um segundo controle, na mesma amostra B, repetido no laboratório de Madri, em 3 de janeiro, onde foram feitas as primeiras análises, revelou a presença da mesma quantidade de nandrolona que na amostra A, segundo informou o porta-voz da IAAF, Giorgio Reineri."Houveram alguns problemas no controle da segunda amostra. Mas essa outra análise feita confirmou o resultado da primeira", observou Reineri. Sotomayor, que saltou 2,44 m na Espanha, negou ter consumido nandrolona. Apesar disso, o reconhecimento da IAAF torna o resultado oficial e a punição inevitável - antes, porém, pelo processo usual a entidade deverá esperar uma manifestação da Federação Cubana de Atletismo.Uma suspensão aplicada a Sotomayor no fim de sua carreira, após um resultado positivo para cocaína no controle antidoping feito durante os Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, Canadá, em 1999, contribuiu para comprometer a imagem de um esportista que tinha, até então, uma trajetória impecável e era considerado "um embaixador de Cuba" no esporte.Sotomayor foi suspenso pela IAAF por dois anos, mas diante das insistentes defesas do atleta pela Federação Cubana de Atletismo e em atenção às glórias de sua carreira, teve a pena reduzida a um ano e ainda competiu - e ganhou a medalha de prata -, nos Jogos de Sydney. Sotomayor é dono dos dois recordes mundiais no salto em altura, em provas indoor (2,43 m) e ao ar livre (2,45 m).

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2002 | 14h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.