Exército ajudará na segurança do Pan/2007

O general da reserva Sérgio Rosário, de 57 anos, foi o escolhido para coordenar o plano de segurança dos Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007. O militar, que iniciou seu trabalho já na edição de São Domingos, em agosto passado, é econômico com as palavras, mas não escondeu que, por prudência e necessidade, a competição contará com a utilização de todos os meios disponíveis para dar segurança ao evento, como as Forças Armadas e a Polícia Federal."Certamente não colocarei homens armados em cada esquina", frisou o general do Exército, sem querer criar polêmica sobre a utilização das Forças Armadas. "Todos os órgãos de segurança, como o Exército, a Polícia Federal, a Polícia Militar e Municipal cumprirão o seu papel, como em qualquer outra edição do Pan-Americano." Sérgio Rosário, anteriormente lotado na 8ª região militar de Belém e desde o ano passado na reserva, tem em seu currículo a experiência de ter sido o chefe dos observadores militares no Timor Leste, entre julho de 2001 e julho de 2002. Na ocasião, ele foi um dos principais parceiros do embaixador Sérgio Vieira de Melo, morto durante um ataque às instalações das Organizações das Nações Unidas (ONU) em Bagdá, em agosto.De acordo com Sérgio Rosário, que foi indicado ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) pelo Ministério da Defesa, as medidas de segurança já estão sendo tomadas. Uma das mais urgentes, a contratação de uma empresa internacional especializada em segurança, já foi realizada.O presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, confirmou que a empresa de segurança já foi escolhida. Ele, no entanto, não quis revelar o nome dela, porque ainda falta a assinatura do contrato. O Comitê Olímpico Internacional (COI) foi o responsável por indicar à entidade brasileira a firma, capaz de organizar o plano estratégico que dará tranqüilidade a todos que participarem do evento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.