Expectativa é de um GP sem lógica e emocionante

Após duas provas com chuva, previsão é de tempo bom

Livio Oricchio, MANAMA, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2009 | 00h00

Nas duas últimas etapas do campeonato, China e Malásia, a chuva mascarou a verdadeira cara da Fórmula 1. Hoje, no entanto, no deserto de Sakhir, onde será disputada a quarta corrida, no Bahrein, chover será difícil. Fala-se em tempestade de areia, mas a meteorologia dá poucas possibilidades. Assim, as 57 voltas da competição, sempre sob calor sufocante, devem proporcionar o GP mais emocionante até agora este ano. Acesse e acompanhe ao vivo a corrida e veja mais fotos do GP do Bahrein A definição do grid reforça a ideia de uma prova de resultado completamente aberto, sem mais o favoritismo destacado dos pilotos da Brawn GP, Jenson Button e Rubens Barrichello. "Ter treinado já nesta pista (em fevereiro) aumenta ainda mais minha confiança em obter a primeira vitória da Toyota na Fórmula 1", falou Jarno Trulli, o pole position. O segundo lugar do companheiro, Timo Glock, aumenta consideravelmente suas chances. "Acho possível eles estarem na estratégia de três pit stops", revelou Felipe Massa, da Ferrari, oitavo. "Já nós estamos um pouco mais pesados que alguns carros a nossa frente no grid." Seu objetivo é marcar os primeiros pontos na temporada. "Pódio penso ser difícil, mas nosso ritmo está melhor." O peso dos carros sugere que Massa pode ter razão: Trulli larga com 648,5 quilos, Glock, 643, e ele, 664,5. Além de um grande carro, Sebastian Vettel, da Red Bull, está provando ser um piloto de imenso talento. Ocupa a terceira posição no grid e deverá fazer a primeira parada apenas duas voltas antes de Massa, já que seu peso total é de 659 quilos. O consumo médio de gasolina no traçado barenita de 5.412 metros é de 2,5 quilos (cerca de 3 litros) por volta.O combustível nos tanques dos carros da Brawn comprova o que Button e Barrichello afirmaram ontem: pelo menos a Red Bull já os deixou para trás. Button, quarto no grid, tem 652, 5 quilos, e Rubinho, sexto, 649. Cada 10 quilos a mais nessa pista correspondem a 3,8 décimos de segundo a mais, na média, no tempo de volta. A melhor notícia para quem gosta de ver bons pegas é que o desempenho dos dez primeiros nos treinos, somado ao peso que iniciam a prova, hoje, confirma que há vários candidatos à vitória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.