Reprodução
Reprodução

Experiência internacional é diferencial para equipe

Presidente da CBFA contrata profissionais para aumentar esporte

Rafael Fiuza, O Estado de S. Paulo

10 de abril de 2015 | 07h30

Com uma vida tripla (diretor de uma escola de idiomas, presidente do clube João Pessoa Espectros e da CBFA), Guto Sousa sabe que precisa de profissionais experientes no mercado esportivo para dar continuidade ao projeto e por isso apostou em uma equipe com as principais referências da área. Sua convicção logo trouxe resultados.

Com o PhD em Administração com o foco em Marketing Esportivo, na FEA-USP e parte na Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, em fase final, o professor titular do mestrado em Gestão do Esporte na Universidade Nove de Julho, Fernando Fleury compreendeu que para entender o funcionamento dos esportes americanos era necessário vivenciá-los. Com a experiência na bagagem e um longo período nos Estados Unidos e Canadá, o diretor de marketing da CBFA garantiu o primeiro patrocínio da história da confederação, após acordo com a EWC Watches, sem valores revelados.

"Estamos trabalhando com uma visão de longo prazo. Apesar de reconhecermos a importância da conquista da vaga para a Copa do Mundo, nosso foco é em um projeto de quatro anos", afirmou o diretor que tem como principais objetivos aumentar  a base de fãs e de criar oportunidades para garantir o relacionamento dos patrocinadores com o público, além de fortalecer a imagem da seleção e do torneio de clubes.

Apesar do antigo envolvimento em esportes como na criação da proposta do Fair Play Financeiro para o Bom Senso FC e a consultoria na Arena Maracanã, Fleury acredita que o trabalho realizado com pesquisas pode ser um dos diferenciais na CBFA. Somente a partir disto, foi possível entender quem é o público-alvo, formado principalmente por jovens entre 24 e 30 anos e fanáticos pela NFL. 

Tudo o que sabemos sobre:
futebol americanocbfanfl

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.