Jonne Roriz/Estadão
Jonne Roriz/Estadão

Fabi quer ajudar na popularização do vôlei

Líbero da seleção feminina está estudando administração e pretende trabalhar com o esporte no final de sua vitoriosa carreira

O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2013 | 02h11

Colecionadora de títulos no vôlei, a líbero Fabi pode ser considerada uma das jogadoras mais carismáticas do Brasil. Faz questão de retribuir o apoio dos fãs com simpatia, e garante estar feliz da vida por tudo que o esporte conquistou no Brasil. Ela faz parte de uma geração que entrou para a história com o bicampeonato olímpico, e sabe que foi importante nas duas vitórias. "Eu estou muito feliz com o que o vôlei tem conquistado nesses últimos anos. É bacana ver um ginásio lotado, ver as pessoas imbuídas a participar e querer melhorar esse esporte cada vez mais. Eu, como uma amante dessa modalidade, espero que possa crescer mais e se popularizar ainda mais."

A jogadora da Unilever, atual campeã da Superliga feminina, conta que sempre que pode olha suas duas medalhas olímpicas de ouro com carinho e garante que trazem sorte. "Elas representam a responsabilidade de uma conquista bacana e de poder ajudar meu país. Minhas duas medalhas estão guardadas em um lugar especial lá em casa, que é meu recanto, meu refúgio, e no momento que eu mais preciso recorro a elas. Antes de ir para a decisão da Superliga dei uma olhadinha nas minhas medalhas, pois para conquistá-las com a seleção demonstramos um sentimento de grupo e união, de acreditar", revela.

Com seus títulos, Fabi sabe que ajudou a transformar a modalidade no Brasil e acha que o vôlei pode crescer ainda mais. "Me sinto muito orgulhosa de ver isso. A paixão do torcedor é enorme. A gente sabe que o brasileiro gosta muito de futebol, mas poder ver que o vôlei tem um espaço no coração de cada um é uma conquista muito importante."

Aos 33 anos, ela ainda não se vê nos Jogos de 2016, mas espera ajudar de alguma outra forma. "Eu voltei a estudar agora, estou fazendo administração. Não tenho a menor dúvida de que quero contribuir para esse esporte, mas de que maneira ainda não sei. Tenho me preparado para estar lúcida no final da carreira."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.