Fabiana enfrenta Isinbayeva em prévia na Liga Diamanate

Amigas e rivais se enfrentam pela última vez antes dos Jogos na tradicional etapa de Mônaco

AMANDA ROMANELLI, ENVIADA ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 03h08

Foram 40 dias de concentração total em Formia, na Itália. Hoje, Fabiana Murer sai do regime de dedicação exclusiva aos treinos para fazer sua última competição antes da Olimpíada de Londres. A campeã mundial do salto com vara disputará a tradicional etapa de Mônaco da Liga Diamante, a partir das 14h55 (horário de Brasília), em uma prova que pode ser considerada uma prévia olímpica.

Fabiana estará lá, assim como Yelena Isinbayeva. A russa fará apenas sua segunda prova na temporada ao ar livre. Por enquanto, a recordista mundial tem a marca de 4,75 m, obtida em uma prova na França, dez dias atrás. A brasileira, que competiu pela última vez na etapa nova-iorquina da Liga Diamante, lá fez 4,77 m, a segunda melhor marca mundial da temporada - a americana Jennifer Suhr lidera com um salto de 4,83 m.

Fabiana e Yelena, a quem a brasileira derrotou no Mundial de Daegu, não se encontram desde um torneio em Zurique, em setembro do ano passado, após o torneio sul-coreano. Ambas saltaram 4,62 m e ficaram empatadas em terceiro lugar.

A atleta brasileira deixa claro que vai sem pressão para Mônaco, um lugar que é especial em sua trajetória. Foi lá que, após bater o recorde sul-americano em 2007, conseguiu sua primeira grande vitória internacional e ganhou projeção no circuito de atletas top.

"Essa prova é mais para acertar detalhes, entrar no ritmo de competição e acertar as varas", disse Fabiana, ao Estado, já em Mônaco, logo após participar da coletiva de imprensa junto de Yelena Isinbayeva. "Acho que dá para melhorar meus 4,77 m." Com o bom resultado em Nova York, depois de duas apresentações ruins nos GPs de São Paulo e do Rio, Fabiana afirmou ter ficado com "vontade de competir". Mas teve que priorizar o planejamento realizado com seu técnico, Elson Miranda, e o consultor Vitaly Petrov. "Quando competi em Nova York, eu queria continuar. Meu corpo estava pedindo. Mas o objetivo é Londres."

Isinbayeva, que bateu o recorde mundial indoor no início do ano (5,01 m), diz que está em boa forma, apesar de não ter feito uma grande marca em Sotteville, na semana passada. "Foi a minha primeira competição e foi um pouco difícil mentalmente. Mas estou pronta para saltar bem alto. Um bom resultado, para mim, seria conseguir a liderança do ranking."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.