Luludi/Agência Luz
Luludi/Agência Luz

Fabiana ganha descanso inédito antes de Londres

Para chegar bem a 2012, saltadora abre mão de Mundial indoor e terá quase seis meses para se dedicar só aos treinos

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2011 | 00h00

Fabiana Murer chegou ao Brasil no sábado, depois da conquista do ouro inédito para o atletismo brasileiro no Mundial de Daegu, que ontem completou 15 dias. Mas não terá tempo para descansar: a partir de segunda-feira, já recomeça os treinamentos, de olho no bicampeonato dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro.

Envolvida em uma rotina agitada, composta por disputas em vários continentes e dois locais de treino (na Europa e no Brasil) desde 2005, a campeã sentiu a necessidade de diminuir o ritmo. Por isso, a partir do mês de novembro, terá um "descanso" inédito desde que entrou para a elite do atletismo mundial. Ficará quase seis meses longe das competições, tudo para chegar bem à Olimpíada de Londres, no fim de julho.

Para abrir espaço no calendário, Fabiana teve de desistir da defesa de seu título mundial indoor, conquistado no ano passado, em Doha. O próximo campeonato será disputado na Turquia, em março.

"Desde o fim de 2004, começo de 2005, é que não faço uma base (período de treinamentos) tão longa", disse Fabiana, que ontem foi homenageada por seu clube, o BM&F Bovespa - ela recebeu uma barra de 1 kg de ouro e abriu o pregão da Bolsa.

"Desde então estou sempre competindo, no indoor e no outdoor. É lógico que acaba cansando, apesar de toda a motivação que eu tenho de participar dos grandes meetings", afirma Fabiana, que só deve competir em maio de 2012, nos GPs do Brasil.

A disputa da temporada indoor, este ano, já estava sob dúvidas, revela Fabiana. O ucraniano Vitaly Petrov, que trabalha junto com seu técnico, Elson Miranda, achava que ela deveria ter descansado. "Mas eu estava super motivada depois de ter sido campeã da Liga Diamante. Queria competir, queria melhores resultados, queria fazer tudo."

A empolgação e a agenda lotada acabaram cobrando seu preço na metade do ano, quando Fabiana sentiu cansaço e viu a motivação de saltar diminuir.

"O Vitaly e o Elson me deram um período de descanso", lembra Fabiana. "Saí um pouco do ambiente de competição e o Vitaly me mandava ir para a praia", recorda, aos risos. "Mas depois que competi em Londres (na última etapa da Liga Diamante antes do Mundial de Daegu), a motivação voltou. Pedi para treinar forte, porque queria chegar bem no Mundial, e o Vitaly até questionou: "Ué, você não estava cansada?"", lembra.

Mais alto. Essa parada estratégica também deve aproximar Fabiana de seu outro objetivo: ser a segunda mulher do mundo a alcançar os 5 metros. Até hoje, apenas a russa Yelena Isinbayeva, recordista mundial do salto com vara, conseguiu tal feito - sua melhor marca é 5,06 m, obtida em setembro de 2009.

"A Fabiana mostrou do Mundial que saltar 4,90 m é uma realidade para ela. Mas queremos chegar aos 5 metros o mais rápido possível, antes das outras atletas e, se possível, até antes da Yelena se recuperar e voltar a saltar bem", disse Elson Miranda.

Para isso, a atleta comemora o tempo disponível. "Vou poder fazer bastante fortalecimento e terei tempo de trabalhar a minha técnica."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.