Fabiana Murer dá show no GP Brasil de Atletismo

A saltadora Fabiana Murer roubou a cena neste domingo, entre as estrelas do Grand Prix Brasil de Atletismo, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. A atleta colocou o Brasil na elite mundial da acrobática prova do salto com vara. Levou a medalha de ouro no GP, com recorde brasileiro e sul-americano, ao saltar 4,55 m, diante de 32.569 pessoas. A saltadora melhorou em 15 centímetros sua marca anterior ao ar livre, que era de 4,40 m. Também é a recordista sul-americana indoor, com 4,41 m. Com o salto de domingo, passou a ser dona da quinta melhor marca do ano no mundo. O recorde do continente pertencia à argentina Alejandra Garcia (4,43 m, de 2004).Alta demais para a ginástica artística, o salto com vara ganhou uma atleta que começou nas escolinhas de Campinas, aos 15 anos. Agora, os bons resultados levam a planos mais ambiciosos, como disputar o circuito europeu depois do Ibero-Americano, de sexta-feira a domingo, em Ponce, Porto Rico. A marca também leva Fabiana a ter um lugar na equipe brasileira que disputará o Mundial de Osaka, em 2007.?Tremi quando saltei 4,45 m e 4,50 m, marcas que já esperava fazer há algum tempo. Estava cansada quando fiz o terceiro salto, com o sarrafo a 4,55 m, mas ainda estava atrás na prova e queria vencer. O público me ajudou. Tinha de saltar. E deu tudo certo?, afirmou Fabiana, que ainda no ar, antes mesmo de cair no colchão, comemorou o ouro e o recorde, sorrindo e levantando as mãos.Fabiana competiu sem a presença de seu técnico, Elson Miranda, que ficou em São Paulo, não convocado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) para integrar a delegação. ?Só vieram os técnicos que tinham três atletas por prova?, explicou a atleta, que procurou pensar no que vinha treinando e nas conversas com Elson durante a seqüência de saltos.A russa Yelena Isinbayeva, recordista mundial (5,01 m), que passou a ser conhecida no atletismo internacional pela superioridade na prova, tornou o salto com vara mais conhecido, o que na avaliação de Fabiana, de 25 anos, foi muito bom. Hoje, adota a escola russa de saltos - num trabalho desenvolvido pelo técnico Elson Miranda, os atletas brasileiros foram aprender com o ucraniano Vitaly Petrov, em seguidos campings de treinamentos (de 2001 a 2005, todos os anos, pagos pela BM&F e CBAt). Petrov foi o técnico do fenômeno Serguei Bubka, que quebrou 35 vezes o recorde mundial (indoor e outdoor) da prova. No Mundial indoor de Moscou, em março, sem Elson, Fabiana foi orientada por Petrov.Elson Miranda acompanhou o desempenho de sua atleta pela internet. Ainda sob as escadas do pódio, após receber a medalha, Fabiana ligou para o treinador, que por sua vez telefonou para Petrov. ?Eu queria estar aí?, disse Elson, treinador da atleta desde o início da carreira de Fabiana, aos 15 anos. ?Eu liguei para a CBAt, cheguei a pedir para ir a Belém. A CBAt está indo bem na administração do atletismo brasileiro, a Caixa apóia, mas foi um erro não acreditarem no meu trabalho?, disse Elson que, a partir de agora, sabe que terá sua convocação assegurada pelo bom resultado de Fabiana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.