Fabiana Murer termina em 5.º, mas afirma estar 'tranquila'

Atleta ficou com a marca de 4,54 m e diz que, na Olimpíada, tem certeza de que poderá realizar saltos muito melhores

MÔNACO, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h05

Fabiana Murer esperava fazer ajustes em seus saltos na disputa no Stade Louis II. Por isso, sabia que talvez não fosse saltar tão alto, mas mesmo assim não ficou totalmente satisfeita com a disputa em Mônaco. "Eu esperava saltar um pouquinho mais alto", diz a brasileira, que fez a marca de 4,54 m e terminou a disputa em 5.º. "Mas estou tranquila."

Depois da vitória de Silke Spiegelburg ontem, Fabiana passou a ter a terceira melhor marca de 2012, os 4,77 m obtidos na Liga Diamante de Nova York. Dessa maneira, repete uma sequência de resultados não tão bons em seu início de temporada, da mesma maneira que aconteceu no ano passado. A atleta, contudo, chegou ao auge justamente na prova que valia o título mundial. "No ano passado, cheguei a ficar ansiosa, mas vi que posso chegar na competição mais importante do ano e saltar o meu melhor."

A saltadora esteve nos últimos 40 dias concentrada em Formia, na Itália, apenas se dedicando aos treinos. Por isso, a participação no torneio de ontem foi importante para conquistar ritmo de disputa e também testar seu atual estágio de preparação.

"Foi uma competição para testar mesmo: que vara usar, onde colocar o poste.", disse a brasileira, que passou a 4,54 m na primeira tentativa e errou os três saltos a 4,70 m. "Infelizmente não consegui acertar, mas gostei do que eu fiz, porque a técnica saiu."

A próxima competição de Fabiana é a Olimpíada de Londres, daqui a duas semanas. Ela retorna para Formia e só entrará na Vila dos Atletas no dia 30 de julho - as disputas do atletismo começam em 3 de agosto.

Maurren Maggi. Enquanto a campeã mundial do salto com vara voltou ontem à ativa, a campeã olímpica Maurren Maggi, que ganhou o ouro no salto em distância em Pequim, continua treinando em Madri.

Maurren não compete desde a etapa de Eugene (EUA) da Liga Diamante, no dia 31 de maio. No torneio, ela sofreu uma lesão no quadril que a tirou do Ibero-americano e do Troféu Brasil. De acordo com seu técnico, Nélio Moura, a saltadora de 36 anos já está totalmente recuperada do problema e chegará bem para a defesa de seu título. / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.