Fabiano Eller por Wagner Diniz. Só falta assinar

Santos e São Paulo acertam detalhes da troca e agora conversam com atletas. Tricolor ainda vai dar dinheiro

Giuliander Carpes e Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

22 de maio de 2009 | 00h00

Só estaria faltando assinar contrato. As diretorias de Santos e São Paulo praticamente definiram a troca do zagueiro santista Fabiano Eller pelo lateral-direito são-paulino Wagner Diniz. O time do Morumbi ainda daria uma quantia em dinheiro para ter o defensor, que ficaria na equipe tricolor até o final de 2010. Ontem, Eller foi tirado do treinamento da equipe alvinegra antes do encerramento do trabalho. Conversou com o diretor de futebol, Adilson Durante, e deixou o Centro de Treinamento Rei Pelé logo na sequência. Wagner Diniz chegou ao São Paulo no início da temporada, mas não se firmou no time de Muricy Ramalho. O técnico prefere improvisar Arouca e Zé Luis na posição a utilizar o ex-vascaíno. O lateral tem contrato até 2013 e iria para o Santos por empréstimo até o final da temporada. Já Eller é titular do técnico Vágner Mancini.A negociação atende às necessidades de ambas as equipes. Fabiano Eller recebe um alto salário na Vila Belmiro: R$ 210 mil. O presidente Marcelo Teixeira tem tentado se livrar dos jogadores com custo mais alto e o zagueiro é o próximo da lista (Lúcio Flávio também é um dos "dispensáveis"). E o Santos não tem um lateral-direito que agrade. Luizinho vem sendo utilizado, mas com contestações da torcida.Já o São Paulo precisa de um zagueiro. Rodrigo sofre de uma embolia pulmonar, ficará afastado dos gramados por pelo menos seis meses e está fora dos planos. Renato Silva teve um estiramento muscular e deve ser desfalque por pelo menos mais uma semana. André Dias está retornando de lesão e Miranda é o jogador mais próximo de sair na janela de transferências do meio da temporada, já que o time do Morumbi precisa negociar um jogador para o exterior para aliviar as contas.No início da semana, a direção são-paulina havia feito uma proposta de troca simples de um jogador pelo outro. Os santista não aceitaram. Diante da recusa e da necessidade de contar com um zagueiro já para a disputa das quartas de final da Taça Libertadores, diante do Cruzeiro (a inscrição de um novo atleta pode ser feita até 48 horas antes do primeiro jogo, quarta-feira), o próprio presidente Juvenal Juvêncio se encarregou da negociação. "Comecei a conversa, mas depois o Juvenal assumiu", admitiu o vice-presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. No clube, quando o presidente põe a mão, costuma sair negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.