Fábio Santos: ''''Vamos ter de superar dificuldades''''

Fábio Santos não tem boas recordações da Taça Libertadores. Até hoje o volante não se conforma de ter sido derrotado em sua única experiência no torneio. Em 2004, quando defendia o São Caetano, caiu nas quartas-de-final diante do Boca Juniors, na Argentina. E a eliminação ocorreu de forma incrível: depois de estar vencendo por 1 a 0 - gol de Gilberto -, o time do ABC sofreu o empate, sete minutos depois, e perdeu nos pênaltis por 4 a 3. "Foi um resultado injusto, não merecíamos aquela derrota. Estávamos em vantagem e tínhamos uma boa equipe, que poderia brigar pelo título", lamenta.O revés ensinou muito a Fábio Santos - que, curiosamente, também era comandado pelo técnico Muricy Ramalho. "Foi um baque, mas são coisas do futebol, não fizemos o resultado em casa (empate por 0 a 0, no Anacleto Campanella, no jogo de ida) e não administramos o placar na Argentina", observa o volante são-paulino. "Felizmente, nosso elenco é experiente nessa competição e sabe que terá de superar todo tipo de dificuldade para vencer", completa o volante. De fato, a vivência está ao lado dos são-paulinos. Dos 25 inscritos pelo clube no torneio, 16 disputaram a Libertadores pelo menos uma vez.O nível das arbitragens é apontado pelo jogador como um dos fatores mais complicados no torneio continental. "Os árbitros sul-americanos deixam o jogo correr muito mais do que os brasileiros", opina Fábio Santos. "É um tipo de jogo mais duro e disputado."HISTÓRIASerá o primeiro duelo do São Paulo contra o Nacional pela Libertadores. Mas as equipes já se enfrentaram na semifinal da extinta Supercopa Libertadores, em 1993. Os são-paulinos eliminaram os rivais com vitória por 1 a 0 no Pacaembu (gol de Muller) e triunfo por 5 a 4 nos pênaltis, após derrota por 2 a 1, na Colômbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.