Adam Fenster/Reuters
Adam Fenster/Reuters

Fabrício Melo e Scott Machado enfrentam vestibular para a NBA

Brasileiros são destaque em suas universidades e nesta quinta iniciam a disputa do draft 2012

Amanda Romanello, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2012 | 03h06

SÃO PAULO - Os futuros astros da maior liga de basquete do mundo enfrentam nesta quinta-feira seu vestibular. A edição 2012 do draft da NBA começa às 20 horas (de Brasília), em Nova Jersey, com dois brasileiros inscritos: o pivô Fabrício Melo - ou Fab Melo, como é conhecido pelos americanos - e o armador Scott Machado.

Ambos nasceram em junho e acabaram de completar 22 anos. Destacaram-se em suas universidades (Syracuse e Iona, respectivamente) e podem ser escolhidos até na primeira rodada do draft, embora os prognósticos sobre as decisões das franquias variem entre os especialistas. Em comum, Fab e Scott são vistos como jogadores de futuro, tanto nos Estados Unidos, tanto para a seleção brasileira.

Fabrício, de 2,13 m, é natural de Juiz de Fora (MG). Foi para os EUA ainda adolescente para jogar no ensino médio. Acabou conquistando uma bolsa de estudos na Universidade de Syracuse, onde atuou por dois anos. Por problemas acadêmicos, o pivô não pode participar da fase final da NCAA.

Scott, 1,85 m, não nasceu no Brasil, mas é filho de pais brasileiros, que saíram de Porto Alegre e se estabeleceram em Nova York. Ao contrário de Fab, se formou.

Os dois foram convocados para a disputa do Campeonato Sul-Americano, realizado este mês na Argentina. Mas, por causa da preparação do draft, composta por treinos em todo o território americano, pediram dispensa. Atitude que, segundo o técnico Rubén Magnano, não fecha portas para as duas promessas. O argentino, aliás, é só elogios aos jogadores.

"Já tive um contato com o Fabrício no ano passado. Estamos diante de um jovem com muito futuro. Ele foi escolhido o melhor defensor de sua liga (a Conferência Big East), o que mostra que ele vai por um bom caminho", avalia Magnano, que também fala sobre Scott.

"Ele foi educado nos EUA, mas tem um perfil mais europeu. Fiquei muito surpreso, porque ele dá muita preponderância ao passe, o que é muito importante em um condutor. Scott é rápido, toma boas decisões e não chuta por chutar."

O Brasil já teve sete atletas escolhidos no draft até hoje. O desbravador foi Nenê Hilário, em 2002, eleito pelo New York Knicks na 7.ª posição e, em seguida, negociado com o Denver Nuggets, time que defendeu até o início deste ano.

Desta vez, o País terá a chance de repetir 2004, única oportunidade em que dois brasileiros foram escolhidos na mesma edição, com Anderson Varejão e Rafael Bábby Araújo.

O New Orleans Hornets tem direito à primeira escolha do draft e, certamente, optará pelo astro da última temporada da NCAA. O pivô Anthony Davis, de 19 anos e 2,08 m, foi campeão pela Universidade do Kentucky e escolhido o melhor jogador da liga universitária. Foi o primeiro e último ano do jogador na liga antes de ingressar no mundo profissional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.