Falcão crê que empate contra a Ponte Preta vai dar confiança ao Internacional

Mesmo reconhecendo que o Internacional não fez uma grande atuação no empate por 2 a 2 com a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), neste domingo, o técnico Paulo Roberto Falcão fez questão de ressaltar os pontos positivos deste ponto conquistado fora de casa. Pela força do adversário em seu campo, bem como pelas circunstâncias desfavoráveis dentro de campo.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

24 de julho de 2016 | 15h07

"Acho que o time tirou um peso das costas com este empate, que quebra a série de cinco derrotas seguidas. Além disso, os jogadores não sentiram o segundo gol que saiu aos 50 segundos e nem com a expulsão de um dos nossos volantes (Fernando Bob) com menos de 15 minutos. E temos que dar méritos à Ponte Preta que é um adversário muito forte ao lado de sua torcida", disse, em tom de confiança.

Paulo Roberto Falcão ainda ressaltou que o primeiro gol gaúcho, marcado por Valdívia, é fruto de treinamento. E reforçou que só teve tempo de fazer seis treinamentos em duas semanas de trabalho. "Foram três treinos na primeira semana e mais três nesta última. É pouco ainda para a gente compactar um time de futebol, que é uma coisa complicada". Disse também que ainda estuda o plantel e que já tem "convicções em alguns pontos, mas em outros ainda não" e que isso vai acontecer com mais trabalho.

"Não podemos dormir com este resultado porque há muito ainda o que fazer. Amanhã (segunda-feira) a gente recomeça o trabalho porque temos que melhorar e muito pra chegar no ponto ideal que consideramos", afirmou o técnico. O empate é um motivo a mais para readquirir a confiança e buscar uma evolução técnica e tática.

Sobre a volta de Valdívia, que vem de recuperação de uma cirurgia, Paulo Roberto Falcão foi claro que "falta ritmo a ele" então o utilizou por 60 minutos, dentro do que foi estabelecido pelo departamento físico. "Ele saiu porque estava no seu limite e também aproveitamos um homem mais alto (Ariel) e deu certo".

Eleito quase que de forma unânime pela imprensa gaúcha como "o melhor em campo", o goleiro Marcelo Lomba também acha que o segredo da reação do time foi "o trabalho e a união que todos têm demonstrado para superar esta situação difícil". Ele não vê a disputa pela posição com Danilo Fernandes como um problema, mas uma solução. "O Danilo é meu amigo e está machucado. Mas vamos trabalhar unidos em prol do clube e quem estiver melhor vai jogar".

VEM CORINTHIANS! - De repente, o empate que caiu do céu virou motivação para o Internacional na sequência da competição, focando o confronto diante do Corinthians, no próximo domingo, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, pela 17.ª rodada. Para o diretor de futebol, Carlos Pellegrini "é o momento da torcida ir ao estádio e empurrar nossos jogadores que tiveram muita raça para buscar o empate".

Além de Danilo Fernandes, machucado, o time não vai ter o volante Fernando Bob, que foi expulso. Mas terá a volta do meia Seijas, que cumpriu suspensão. Além disso, há muita expectativa pela estreia do uruguaio Nico Lopes, destaque na Copa Libertadores.

Apesar de tantos tropeços seguidos e a sequência de oito jogos sem vitória, com cinco derrotas seguidas e três empates, o Internacional ocupa a 10.ª posição com 21 pontos. Está distante quatro pontos do Figueirense, com 17, primeiro na zona de descenso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.