Falcão sai do banco e classifica o Brasil

Craque entrou a dez minutos do fim, quando o time perdia por 2 a 0 para a Argentina, e fez dois gols na vitória por 3 a 2

BANGCOC , O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2012 | 02h04

Falcão está longe de sua melhor forma física, mas mesmo assim é capaz de ser decisivo como foi ontem. Graças a ele o Brasil ganhou de virada da Argentina por 3 a 2 e se classificou para a semifinal do Mundial disputado na Tailândia. Amanhã o time enfrentará a Colômbia na luta por uma vaga na final.

A história da conquista da vaga se divide em antes e depois da entrada de Falcão em quadra. Com uma paralisia no lado direito do rosto por estresse e vindo de lesão na panturrilha direita, o craque ficou no banco durante os 30 primeiros minutos.

Nesse período o Brasil teve atuação muito ruim, principalmente no fim do primeiro tempo. A defesa falhou em dois lances seguidos e a Argentina foi para o intervalo vencendo por 2 a 0.

No segundo tempo o Brasil pressionava, mas não conseguia marcar. Quando faltavam dez minutos finais o técnico Marcos Sorato colocou Falcão em quadra, e aí o cenário mudou. Em seu primeiro chute ele mandou uma bomba no travessão, e logo depois viu Neto diminuir o placar. No minuto seguinte Falcão empatou o jogo. Numa prorrogação eletrizante os dois times tiveram chances de marcar. Mas quem decidiu foi Falcão, que marcou de fora da área.

"Tem histórias que são eternizadas e hoje (ontem) foi um dia desses. A paralisia facial atrapalha, não consigo enxergar direito... Só tenho a agradecer a Deus", disse Falcão, que chorou depois de fazer o gol da vitória.

Emoção. Os confrontos entre seleções europeias foram muito disputados. A Itália derrotou Portugal por 4 a 3 na prorrogação, depois de estar perdendo por 3 a 0 no tempo regulamentar. E a Espanha, favorita para enfrentar o Brasil na decisão do título, fez 3 a 2 na Rússia.

A Colômbia bateu a Ucrânia por 3 a 1, num jogo em que ganhava só por 1 a 0 até os 19 minutos da segunda etapa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.