Falhas e lesões tiraram favoritos do pódio

O silêncio e a decepção tomaram conta do estádio Ninho de Pássaros quando o chinês Liu Xiang, campeão olímpico em Atenas e ex-recordista mundial dos 110 metros com barreiras, retirou-se da pista, com dores, antes mesmo de disputar sua eliminatória. Liu foi, durante quatro anos, o principal rosto da China olímpica e a grande esperança do país de voltar a triunfar no atletismo, que reúne as provas de maior visibilidade dos Jogos - nas quais os chineses não têm quase nenhuma tradição. Confirmando a história, sem seu principal atleta, o país encerrou os Jogos sem nenhum ouro na modalidade.Liu Xiang foi a grande decepção dos chineses na Olimpíada, mas não está sozinho na lista dos grandes fracassos dos Jogos. O rol tem, por exemplo, a companhia ilustre do corredor americano Tyson Gay. Medalhista de ouro nos 100 metros, 200 metros e no revezamento 4x100 metros no mundial de atletismo de Osaka, no Japão, em 2007, ele era apontado como um dos favoritos ao ouro nos 100 metros e no revezamento - sofreu uma lesão durante as eliminatórias dos 200 metros nos EUA e não se classificou para essa prova.Mas Tyson Gay nem mesmo se classificou para a final dos 100 metros - com 10s05, ficou apenas com a nona posição nas semifinais. E terá uma lembrança ainda pior do revezamento: atrapalhou-se com o companheiro Darvis Patton e deixou o bastão cair, tirando a equipe norte-americana da final.TRAPALHADASO revezamento 4x100 americano, aliás, foi uma das grandes decepções dos Jogos. O fracasso dos homens foi repetido pelas mulheres: Torri Edwards e Lauryn Williams também se atrapalharam na passagem do bastão, deixaram-no cair e, assim como os homens, ficaram fora da final.Outro grande fracasso acabou ajudando o Brasil. A portuguesa Naide Gomes era a favorita ao ouro no salto em distância. Dona da melhor marca do ano (7,12 metros), havia derrotado Maurren Maggi na final do mundial indoor, no início do ano. Pois a atleta queimou os dois primeiros saltos na fase de classificação e no terceiro, muito nervosa, errou a corrida, tentou corrigir a última passada, perdeu velocidade e saltou apenas 6,29 metros. Ficou fora da final.Campanha decepcionante teve também a delegação cubana. Acostumada a ficar pelo menos entre as dez primeiras posições no quadro de medalhas, Cuba terminou os Jogos na 28ª posição - atrás até do Brasil -, com apenas duas medalhas de ouro (leia mais ao lado). Esportes tradicionalmente vencedores do país, como o boxe e o beisebol, falharam. Os ouros vieram nos 110 metros com barreiras, com o recordista mundial Dayron Robles, e na luta greco-romana, com Mijain López.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.