Família Oliveira unida no boxe

Gabriel de Oliveira, de 27 anos, decepcionou o pai quando não se preparou adequadamente para obter vaga na equipe olímpica de boxe para os Jogos de Atlanta, em 1996. O peso-galo, ?desestimulado pelos tropeços do caminho?, enfrentou o campeão brasileiro na seletiva e perdeu. Mas o futuro havia reservado para Gabriel outro destino, que não ganhar uma medalha olímpica para o Brasil, como o pai, Servílio de Oliveira, bronze nos Jogos do México, em 1968. Mas atuar ao lado de Servílio, como técnico. Na temporada de 2001, Gabriel foi eleito o melhor treinador de São Paulo, pela segunda vez, pela Federação Paulista de Boxe.Leia mais no O Estado de S. Paulo

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2002 | 11h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.