Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Família Tavares de Almeida luta para ir unida ao adestramento do Pan

Os irmãos Luíza e Pedro Almeida garantiram índice para concorrer a uma vaga; Thereza, a mãe, tenta um lugar

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2019 | 04h30

A atleta olímpica Luíza Almeida, sua mãe, Thereza Almeida, e seu irmão, Pedro Almeida, participam do Concurso de Adestramento Internacional, neste final de semana, na Sociedade Hípica Paulista. A família reunida disputa uma vaga para os Jogos Pan-americanos 2019 na equipe brasileira de adestramento ou Dressage, a modalidade mais clássica do hipismo. A prova será a segunda de quatro qualificatórias para a formação do Time Brasil. Não há divisão de gênero ou idade. Mãe e filhos estão juntos na disputa pela primeira vez. 

A participação de mãe e filhos é mais um capítulo da longa relação dos Tavares de Almeida com os cavalos, dentro e fora das competições. “A paixão pelos cavalos foi desperta pelo tempo que passávamos, e ainda passamos, em família na fazenda. O cavalo como prática esportiva foi uma transição natural”, diz a matriarca, aos 55 anos. 

“Fomos criados em cima de uma sela. Entre os cavalos. Das minhas lembranças infantis, de muito pequenininha, guardo a sensação do balanço, quando eu cabia na mesma sela e podíamos cavalgar juntas, eu e minha mãe”, diz Luíza, que esteve nos Jogos de Pequim, Londres e Rio e conquistou bronze no Pan de 2007. 

Neste final de semana, dezoito conjuntos (cavalo e cavaleiro) disputam a seletiva para o Pan. O índice técnico é de 69% de aproveitamento no Small Tour, nível com menor grau de dificuldade, e 68% no Big Tour, o nível olímpico, com o mais alto grau de dificuldade. Luíza e Pedro já garantiram a marca ao lado de outros quatro conjuntos além de um cavaleiro pré-qualificado; Thereza ainda busca o índice. 

Luiza afirma que os papéis de mãe e filha estão separados durante as provas, que exigem grande concentração. “Ali, somos apenas atletas”, diz a amazona de 27 anos.

A escolha dos quatro conjuntos que vão para o Pan será feita pela Confederação Brasileira de Hipismo entre os cavaleiros e amazonas com índice. “Torço para que meus filhos consigam um desempenho à altura. Quanto a mim, apesar de ter entrado ‘atrasada’ na disputa, alerto que comprei o bilhete da janelinha”, diz a matriarca, que praticava as provas de salto e começou a competir recentemente no adestramento. 

Não é a primeira vez que a família compete em conjunto. Nos Jogos do Rio, participaram os três irmãos Luíza, Pedro e Manuel (reserva), ao lado de João Victor Oliva e Giovana Pass . O Brasil competiu pela primeira vez como equipe, ficando em 10º lugar na classificação geral com a nota média final de 67,562%. 

No Pan, a equipe de adestramento contará com quatro conjuntos e deve ter no mínimo um de nível Big Tour. As outras três vagas podem ser preenchidas por conjuntos nível Small Tour. As duas primeiras equipes qualificam seus países para a Olímpiada de Tóquio, em 2020. 

“Nunca vi o adestramento do Brasil tão forte, mas não será fácil. Assim como o Brasil, os demais países têm se esforçado no intuito de se tornarem, cada vez mais, competitivos, mas acredito que daremos trabalho também”, diz Luíza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.