Fãs bolam maneiras de controlar a coleção

Vários métodos foram criados para controlar a coleção de figurinhas da Copa. Uns, usam planilhas de computador, outros criaram estimativas de quantos pacotinhos precisam ser comprados para completar a coleção, tem aqueles que anotam com caneta em um papel mesmo.

, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

O universitário Arthur Azevedo de Amorim, que estuda Engenharia da Computação e mora em Campinas, fez cálculos para saber o quanto as pessoas gastam para ter toda a coleção. "Tive a ideia ao ver meu irmão, de 16 anos, tentando completar a sua", conta ele, que nem aderiu à moda. "Meu pai, que é estatístico, me ajudou com os cálculos."

Ele chegou à seguinte conclusão. Um colecionador solitário terá de comprar em média 4.200 figurinhas para ter todas. Um gasto de R$ 650. "Mas se a pessoa for azarada, ela pode chegar a adquirir mais de 7 mil antes de conseguir acabar", diz.

Alguém sociável, porém, tem mais chance. Um indivíduo com 25 amigos para trocar, só terá de conseguir cerca de 1.300 cromos. Sociedades também são efetivas. "Imagine quatro caras tentando completar seus álbuns juntos", teoriza. "Se cada um comprar 2.500 figurinhas, eles completam as quatro coleções."

Tabelas. Para saber quantas e quais figurinhas já possuem e, mais importante, quantas e quais faltam, os fanáticos costumam formatar tabelas. O auxiliar administrativo Marcus Pádula fez isso. E seu modelo se espelhou pela internet.

"Criei uma planilha de Excel no computador, dividida por seleções, bandeiras, estádios", diz, com orgulho na fala. "Comecei a bolar o método em dezembro do ano passado." Ele disponibilizou o arquivo em sites. E o mesmo se espalhou por redes sociais do mundo virtual. "Recebo mensagens de pessoas de vários estados, como Rio de Janeiro e Goiás, me agradecendo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.