Fast Triatlo: Carla Moreno é campeã

A vitória de Carla Moreno no Mundialito de Fast Triatlo feminino neste domingo, em Santos, não foi apenas mais uma prova vencida na carreira. Foi a prova que ela precisava para mostrar que está de volta à modalidade pela qual foi eleita pelo COB como a melhor em 2004 em ótima forma. Antes disso, ela teve de passar por testes importantes e seus problemas começaram logo depois da olimpíada, quando surgiu um caroço em sua virilha. Foram 20 dias de sofrimento com a suspeita de um câncer, até saber que este era benigno. Em dezembro, Moreno pegou meningite, logo superada, e com isso pôde concorrer na prova deste domingo, vencendo duas baterias e ficando em segundo lugar na outra."Eu dediquei minha vida e minha alma, dei o meu espírito na prova pensando em conquistar o título para o Brasil, mas infelizmente não deu e conseguimos o segundo lugar". Individualmente, tudo deu certo para ela, que planejava vencer pelo menos uma das baterias e manter regularidade nas outras duas. No fim, uma satisfação ainda maior, a de ter vencido a canadense Jill Savage. "No ciclismo, esperei a Jill chegar perto e acelerei. Foi como passar doce na boca de uma criança e depois tirar", disse satisfeita com o desempenho. "Ela é muito boa e eu tinha muita vontade de vencê-la em minha casa, eu queria ter esse gostinho. Por isso, esse prazer enorme e essa felicidade".Na última bateria de ciclismo, ela ficou impressionada ao ver Ana Cristina Boccaneira no chão. "Levei um choque com a queda da Ana. Passei por ela e vi que estava sangrando. Nossa, fiquei com muita vontade de chorar na última volta do ciclismo, me desconcentrei muito ali", disse Carla Moreno depois da prova, enquanto procurava notícias da companheira de equipe e amiga.Muito aplaudida pelo grande público que acompanhou de perto o Mundialito disputado na Ponta da Praia, Carla é ídolo dos santistas e desde julho adotou a cidade para morar e representar na competição. "Quando saia da água, sentia uma vontade imensa de dar um sorriso de felicidade para todo mundo: nunca nadei no Fast Triatlo tão bem como hoje".Essa força da torcida a ajudou a superar outro problema. Por conta da cirurgia na virilha, seu médico recomendou que nadasse de bermuda. "Mas ela ia pesar bastante na hora que nadasse e o técnico resolveu fazer um experimento e nadei a primeira bateria sem a bermuda", contou. "Senti um pouco de dor, mas o público incentivando, a prova, isso fez com que me esquecesse que doía".Momentos - Depois da prova, Carla Moreno contou o sofrimento que passou em 2004. O caroço na virilha foi descoberto depois das Olimpíadas de Atenas ela teve que ficar 20 dias aguardando o resultado dos exames. "Fique muito apreensiva porque não sabia o que era. E ficava na cama orando para que Deus me tirasse daquilo e Ele me pedindo paciência", disse. "Eu orava muito para que ele me desse a vitória e o melhor e, de repente, aquela era a hora de aprender a ter paciência. Vi que não dava para vencer toda hora, tem os momentos certos e aprendi isso".Depois disso, pegou meningite e mais 20 dias em tratamento. "Fiquei muito revoltada e quando ia dormir, falava com Deus: o Senhor não gosta de mim. Por que só eu tenho de ficar doente? Tudo tem de acontecer comigo". E chorava muito e, nervosa como estava, começou a comer mais e mais. "Ia ganhando peso e hoje não estou magra como sempre estive, mas Deus me mostrou que não é o melhor corpo e o melhor treino que fazem o campeão. É a cabeça".Para 2005, Carla Moreno tem dois planos principais. Em maio, vai participar do Ironman sem grandes ambições. "Quero simplesmente completar a prova e ver de perto a Fernanda Keller, ver o que ela faz. Torço muito por ela, tiro meu chapéu e, se chegar na idade dela fazendo a metade que ela fez, será muito bom para mim".Já no Mundial do Japão, vai disputar para valer. E sonha com a Olimpíada. "Não deu em 2004, pode dar em 2008. Vou me preparar bem para ganhar minha medalha olímpica".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.