Jamie Squire/AFP
Jamie Squire/AFP

Fechem as escolas e os bares, fiquem em casa, mas mantenham as corridas de cavalos

Kentucky Derby, tradicional corrida de cavalos, geralmente é disputada no primeiro sábado de maio, mas passará para setembro

Joe Drape, The New York Times

20 de março de 2020 | 12h00

O Kentucky Derby, tradicional corrida de cavalos conhecida por ocupar o primeiro sábado de maio do calendário esportivo, está mudando sua data para setembro. Mas nem a pandemia do coronavírus impediu os cavalos de correrem, nem os apostadores de fazerem suas apostas em todo o território americano.

Ainda que o vírus tenha transformado a paisagem dos esportes, deixando os torcedores sem praticamente nada para assistir ou apostar, as corridas ainda são uma alternativa, especialmente para os apostadores isolados em casa.

Na quarta feira, podia-se acompanhar e apostar em corridas de cavalos ocorrendo em hipódromos da Austrália, da Louisiana e do Texas, bem como corridas de arreios ocorrendo na Suécia, no Canadá e em Ohio. Na sexta feira, vários hipódromos reservados a cavalos de raça, como o Aqueduct em Nova York e o Santa Anita Park na Califórnia, planejam estar abertos para disputas e apostas, com páreos completos de 4 a 10 cavalos por prova. Os torcedores estão proibidos de ir ao hipódromo, como no fim de semana passado.

A NBC Sports — em busca de conteúdo para transmitir ao vivo — anunciou na quarta feira que transmitiria simultaneamente o programa “Trackside Live”, da emissora de corridas de cavalos TVG, alternando entre cinco corridas disputadas ao vivo no sábado e no domingo.

Apesar de seus muitos problemas — como o alarmante número de cavalos que sofrem lesões fatais e uma investigação federal por doping que já produziu 28 indiciamentos — as corridas de cavalos ainda são uma indústria multibilionária, e os operadores de hipódromos pretendem manter suas portas abertas, se possível. Mesmo com o fechamento de escolas e restaurantes e a restrição às reuniões de pessoas, as corridas não pararam, com a bênção das autoridades.

Brad Maione, porta-voz da comissão de jogos de azar do estado de Nova York, disse ter aprovado a continuidade das corridas no Aqueduct desde que os portões sejam fechados para o público.

Ele disse que o Aqueduct é uma instalação ao ar livre que pode produzir uma programação de corridas mobilizando um pequeno número de funcionários (menos de 50, sem estarem confinados em uma área fechada). Além de não haver público nem oferta de alimentos, a restrição proíbe os visitantes nos celeiros, e isso inclui os donos dos cavalos.

Os hipódromos de cavalos de raça de Nova York receberam US$ 2,1 bilhões em apostas em 2019. Contribuíram com US$ 15,4 milhões em impostos pagos.

“A abertura do Aqueduct e dos hipódromos de corrida em todo o país ajuda os jóqueis, treinadores de cavalo e toda a indústria, incluindo os funcionários e os cuidadores dos animais", disse David O’Rourke, diretor executivo da Associação de Corridas de Nova York, responsável pela operação dos maiores hipódromos do estado e parte de uma indústria que garante o emprego de cerca de 19 mil em todo o estado.

Na Califórnia, onde as corridas geram mais de US$ 16 milhões ao ano em receita fiscal, as corridas também foram aprovadas nesse fim de semana, disse Mike Marten, porta-voz do Conselho de Corridas de Cavalo da Califórnia.

“Todas as apostas são feitas remotamente por espectadores em casa, usando suas contas nas plataformas de apostas", disse Marten.

Com o distanciamento social sendo praticado em tantos aspectos da vida americana, muitos torcedores se voltaram para um dos poucos esportes ao vivo que não foram suspensos, mesmo que assistam remotamente.

Mais de US$ 17,5 milhões foram apostados nas corridas do Aqueduct realizadas de sexta feira a domingo, de acordo com a associação. A TVG, que transmite corridas de mais de 150 hipódromos em todo o mundo, observou uma alta de 75% nas apostas em sua plataforma no sábado e no domingo, em comparação aos mesmos dois dias de 2019.

O aplicativo FanDuel Racing foi baixado mais vezes nesse fim de semana do que nos três meses anteriores, chegando à posição de sexto aplicativo mais baixado na lista de apps esportivos gratuitos da Apple, de acordo com a TVG. O aplicativo foi criado para apostadores de primeira viagem antes da realização das provas da tríplice coroa.

“Não imaginamos que o app faria tanto sucesso em meio a essas circunstâncias", disse Kip Levin, diretor executivo da TVG. “Como vemos, as pessoas estão buscando uma distração.”

A emissora também pediu aos âncoras e comentaristas que simplifiquem as explicações e análises para torná-las acessíveis aos novos apostadores. O acordo de transmissão simultânea com a NBC Sports pode fazer seu alcance quase dobrar: a TVG chega a 45 milhões de lares, enquanto a NBC Sports Network chega a 83 milhões de lares.

Até o momento, a TVG ainda tem um número significativo de corridas confirmadas para transmitir. “Mas isso pode mudar em questão de horas", disse Levin.

Em um momento em que há quase 600 pessoas vivendo em instalações nos fundos de Belmont Park para cuidar de alimentar, higienizar e passear os cavalos, as autoridades das corridas de Nova York disseram estar simplesmente seguindo as recomendações das autoridades de saúde estaduais e federais, que proibiram o público nas corridas. Os cavalos precisam de cuidados, independentemente de correrem ou não.

Churchill Downs, lar do Kentucky Derby, adiou a corrida de cavalos mais famosa dos EUA até o dia 5 de setembro. As outras duas provas da tríplice coroa, Preakness e Belmont Stakes, ainda não decidiram se vão seguir a decisão do Derby e transferir as provas para o terceiro trimestre.

“Todas as opções estão em aberto, incluindo a realização da Belmont em 6 de junho", disse Pat McKenna, porta-voz da Associação de Corridas de Nova York.

A perspectiva de realizar o Derby diante de um público de mais de 150 mil pessoas levou Churchill Downs a adiar a corrida pela primeira vez desde a 2.ª Guerra Mundial.

“Sua energia e magia emanam do público que vem acompanhar a corrida", disse Bill Carstanjen, diretor executivo da Churchill Downs Inc., durante entrevista pelo telefone. “Temos que nos defender dos golpes, mas nos parece que a data de 5 de setembro seria realista.”

A NBC Sports, detentora dos direitos de transmissão das provas da tríplice coroa, está negociando a realização das corridas dentro de um intervalo de cinco semanas no terceiro trimestre. Se isso se confirmar, a Preakness deve ser marcada para 19 de setembro, e a Belmont para o dia 10 de outubro.

Autoridades do Maryland Jockey Club admitiram que estão negociando com a NBC Sports um acordo para adiar a Preakness.

“Não tivemos escolha", disse Carstanjen a respeito do adiamento do Derby. “Assumimos a responsabilidade, e garantimos que a corrida será um dia especial. Também estamos animados com a perspectiva de a NBC conseguir o adiamento da Preakness e da Belmont Stakes para setembro e outubro, respectivamente. Torcemos para que as partes envolvidas cheguem a um acordo.” / Tradução de Augusto Calil

Tudo o que sabemos sobre:
cavalohipismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.